Cuiabá, sexta-feira, 01/03/2024
22:39:51
informe o texto

Artigos / Colunas / ​Dra Nathalia Simi Mendonça

21/11/2023 às 10:00

Novembro azul e foco no diagnóstico por ressonância mutiparamétrica da prostata

Novembro é o mês de conscientização do câncer de próstata, que atinge cerca 65 mil brasileiros por ano. É o segundo câncer mais frequente entre os homens, perdendo apenas para o câncer de pele em números de incidência. Por isso a importância e atenção para a prevenção e diagnóstico precoce para adequado tratamento.
 
E no segmento de diagnóstico, o exame mais promissor é a ressonância magnética (RM) multiparamétrica da próstata. A  RM da próstata é um exame complexo com excelente acuidade diagnóstica, muito importante na avaliação desta glândula masculina em diferentes patologias. Este exame tem suas indicações precisas, que vai desde o rastreamento, estadiamento de câncer, planejamento terapêutico, vigilância ativa e seguimento após a cirurgia.
 
A RM da próstata consegue avaliar e analisar a anatomia da próstata, reconhecimento de possíveis lesões suspeitas e classificá-las dentro de baixa e alta suspeição, e também indicar biópsia. Nem todo nódulo palpável é câncer e nem todo aumento do PSA ocorre por câncer. Portanto, a Ressonância Magnética da Próstata pode ser utilizada para investigar e definir com maior precisão, inclusive, o local para biópsia.
 
Do ponto de vista de diagnóstico, a ressonância magnética multiparamétrica apresenta uma acurácia tão boa quanto à biópsia, sobretudo nos tumores mais agressivas.
 
Com um diagnóstico preciso, conseguimos orientar o médico assistente com o mais adequado e completo tratamento do paciente com câncer. Vai depender do estadiamento e  grau de evolução, que pode ser de seguimento clínico, tratamento hormonal, radioterapia e cirúrgico radical. O câncer de próstata pode ter cura, no entanto é necessário ter um diagnóstico preciso, seguro e precoce, com profissionais especialistas, para que se obtenha sucesso no tratamento.
 
Aproveite o movimento do Novembro Azul e se conscientize o ano todo. É preciso falar, é preciso incentivar, explicar o processo de detecção para um diagnóstico mais precoce possível e possibilidade de tratamento curativo

​Dra Nathalia Simi Mendonça

​Dra Nathalia Simi Mendonça
* Especialista em Radiologia e Diagnostico por Imagem pelo Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR); residência: Hospital Santa Marcelina - São Paulo / SP; especialista R4 em Imagem de Medicina Interna pelo Hospital do Coração HCOR - São Paulo/ SP e pós-graduada em imagem Musculoesquelético pelo Hospital Israelita e Albert Einstein - São Paulo / SP.
ver artigos
 
Sitevip Internet