Cuiabá, sexta-feira, 05/06/2020
12:07:51
informe o texto

Artigos / Colunas / Bruna Pinheiro

07/04/2020 às 17:40

​Um salve à afronta de ser jornalista

​Embora baleado e com várias cicatrizes, o jornalismo de verdade vive!

Feche os olhos e imagine o país liderado por um imperador, com trono, família real, monarquia, palácios e toda aquela parafernália aristocrática. Sim, esse Brasil já existiu. Hoje, não mais, embora até pareça às vezes. Em 07 de abril de 1831, Dom Pedro I renunciou ao cargo máximo de poder no país. Ok, mas o que isso tem a ver com um artigo sobre o dia do jornalista?

Continuando. A data surgiu da afronta da categoria e eu explico. O processo de renúncia de Dom Pedro I contou com episódios dramáticos, brigas, disputas de poder, muita denúncia de corrupção, e mais um monte daqueles acordos que permeiam a política desde que ela é política. Assim como a política agia como age, o jornalismo também. Giovanni Battista Líbero Badaró era um deles.

Jornalista e médico, este italiano radicado no Brasil foi um dos maiores nomes da oposição ao imperador, com centenas de reportagens em que relatava os abusos da família real, liderados principalmente por Dom Pedro I, além das tentativas de censura à liberdade de imprensa. Algo que, infelizmente, volta à tona no Brasil de mitos e heróis que não honram capa alguma.

Os livros de história e também de jornalismo se dividem em afirmar se o imperador teve ou não a ver com o assassinato de Líbero Badaró, cerca de um ano antes da renúncia. O fato é que a morte dele levou também ao fim do primeiro reinado brasileiro. E jornalista, que é um povo debochado e afrontoso, dedicou a data da renúncia de Dom Pedro I para celebrar e homenagear a profissão. Daí 07 de abril ter sido escolhido.

Não é de se espantar que a imprensa seja o alvo preferido de políticos. “Mentirosos, caluniadores, inimigos do povo, comunistas, coxinhas, maconheiros, sensacionalistas, propagadores do ódio, pró-governo, do contra, hackers”. O dicionário de A a Z para xingar jornalista é lotado de verbetes. No fundo, todo jornalista sabe que será xingado em determinado momento da apuração e publicação de suas matérias. E, mesmo sabendo disso, continuamos. Seguimos, porque a vontade em escrever, e a afronta também, obviamente, está em nós.

Para quem duvida, pergunte ao jornalista da roda qual sua matéria marcante. Aposto, com quase 100% de certeza, que será alguma em que foi possível desafiar alguém, um político, uma empresária, um juiz, uma prefeitura, o presidente. Gostamos disso.

Embora baleado e com várias cicatrizes, o jornalismo de verdade vive! Sua existência sempre foi, é e continuará sendo peça fundamental para a resistência de um povo. A pátria livre, que tanto lutaram para que fosse conquistada (e esperamos que assim continue), não fica em pé sem uma imprensa livre, honesta, ética e, por que não, afrontosa também.

Bruna Pinheiro

Bruna Pinheiro

 é jornalista formada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), afrontosa e debochada, assim como qualquer mero jornalista. Escreve também na Pau e Prosa Comunicação, que pelo nome é outra afrontosa.

 
ver artigos
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet