Cuiabá, quarta-feira, 26/06/2019
08:14:39
informe o texto

Artigos / Colunas / Vivaldo Lopes

27/03/2019 às 10:35

Privatização dos aeroportos

Finalmente o governo federal realizou, na última sexta (15), o leilão de concessões dos quatro aeroportos de Mato Grosso: Cuiabá/Várzea Grande, Rondonópolis, Sinop e Alta Floresta. Considerado um sucesso, o leilão ofertou outros oito aeroportos regionais localizados no sudeste e nordeste. A modelagem da privatização teve início nas administrações anteriores e mantida e executada pela equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro.Essa modelagem, além do prêmio pago inicialmente pelo consórcio vencedor, prevê o chamado risco compartilhado. O operador terá uma carência de cinco anos e pagará ao governo federal um percentual da receita bruta da operação. Em contrapartida, terá que efetuar todos os investimentos necessários para melhorar o conforto dos passageiros, modernizar as instalações e aumentar a quantidade de pousos, decolagens e o volume de passageiros embarcados.

A operação privada dos quatro aeroportos trará expressivos benefícios para a economia de Mato Grosso. A operação será conduzida por empresa especializada e o consórcio demonstrou, na etapa de qualificação, ter capacidade financeira para efetuar os investimentos exigidos no edital da concessão. Faz parte do consórcio que vai administrar os aeroportos de nosso estado a operadora Socicam que tem boa experiência em gerenciamento de aeroportos regionais de pequeno e médio porte. O total de investimentos previstos são de R$ 771,6 milhões ao longo dos próximos cinco anos, gerando empregos, renda e arrecadação de tributos estaduais e municipais nas cidades onde os empreendimentos estão localizados. 

A privatização dos aeroportos reflete a acertada constatação da incapacidade financeira da administração federal e estados para construir com dinheiro público a infraestrutura econômica que o país exige. Daí a opção pela aliança estratégica com o capital privado como alternativa viável para melhorar eficiência logística e amentar a competitividade econômica do país.

O momento tornou-se bastante propício para que os líderes políticos, empresariais,  institucionais e toda a sociedade exijamos da administração federal a aceleração da privatização do trecho da rodovia BR 163 de Sinop a Santarém (PA) e das três ferrovias que são até mais importantes que os aeroportos para o desenvolvimento econômico de Mato Grosso. Falo da Ferrovia de Integração do Centro Oeste – FICO que interliga Campinorte (GO) a Lucas do Rio Verde, passando por Água Boa, a Ferrovia da Produção (ferrogrão), de Sinop a Miritituba (PA) e o trecho da ferrovia senador Vicente Vuolo, que sai de Rondonópolis até Cuiabá. A construção desse conjunto logístico permitirá o impulso produtivo que tornará Mato Grosso, até 2030, o maior produtor de alimentos do país e um dos maiores do mundo.

Vivaldo Lopes

Vivaldo Lopes
Vivaldo Lopes, economista formado pela Universidade Federal de Mato Grosso. Pós-graduado em  MBA- Gestão Financeira Empresarial pela FIA/US.
ver artigos

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Qual seu posicionamento em relação a Reforma da Previdência?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet