Cuiabá, sexta-feira, 19/07/2019
17:29:00
informe o texto

Artigos / Colunas / João Edisom

02/05/2019 às 09:34

A crise do trabalho

Entre o pós segunda grande guerra mundial e o início do século XXI o mundo vem conhecendo a crise do trabalho e, principalmente, do emprego em praticamente todos os países. E dentre todas as catástrofes possíveis esta pode ser a mais difícil de ser solucionada.
 
A eficiência do modelo de trabalho que conhecemos começou a perder força a partir dos anos 70 do século passado, muito fruto da queda das taxas de lucro das empresas e o aumento do déficit público em muito países.
 
Nos anos 80 e 90 do mesmo século ganhou força o modelo econômico neoliberal, que tem como fundamento a não intervenção estatal na economia e o aumento da produtividade empresarial através da otimização da força de trabalho e da tecnologia.
 
Agora nos primeiros anos deste novo milênio a briga é entre o Estado participativo, gerador de prosperidade ou o Estado como mero observador da economia, onde os espaços administrativos são cedidos para a iniciativa privada. Ou seja, o Estado Mínimo versus as políticas de assistência social ou intervencionista.
 
O modelo de desenvolvimento industrial iniciado deste então e as novas formas de organização das empresas geram controvérsia e vem causando um aumento nos níveis de desemprego. E a diminuição da jornada de trabalho como solução (atualmente varia entre 40 e 48 horas semanais), com tendência de cair ainda mais, aumenta o custo de produção e as empresas apelam para a tecnologia como substituta irreversível da mão de obra. Não soluciona.
 
Em outros casos países vêm compensando a perda de postos de trabalho na indústria com a transferência das atividades para o setor terciário, mas na maioria destes mesmos países o processo não vem dando conta de diminuir o desemprego.
 
Partindo deste princípio, o dia primeiro de maio deveria ser um momento de reflexão e de alerta para podermos tentar entender o futuro dos povos em um mundo que a cada dia que passa assistimos a extinção de atividades até então importantes e o surgimento cada vez mais tímido de novos afazeres. Até por isso deverá ser um dia de protesto justamente nos países mais desenvolvidos.
 
O mundo por si só já vive muitas crises, mas nenhuma delas é tão preocupante como a crise do trabalho, cujos postos exigem a cada dia mais inteligência e menos pessoas para execução. O reflexo deste contexto já é percebido, o que indica que seu agravamento poderá acentuar de forma violenta nas próximas duas ou três décadas. Então o que faremos com as próximas gerações que poderão se constituir em eternos desempregados?
 
Viva primeiro de maio! Viva o trabalhador! Mas, em meio às comemorações, um pouco de reflexão é bom também.
 

João Edisom

João Edisom
João Edisom de Souza, Doutor em Teologia pela PUC/RS, Mestre ciências da Educação e Politica pela UNiC, Especialista em Psicanalise e Neuropsicologia PUC/RS, Especialista em ciências politica e sociais pela PUC/GO, Especialista em Psicologia Infantil e Gestão de Pessoas e Negócios pela UFMT, Graduado em Filosofia e teologia pelo CDB Campo Grande MS, Pedagogia pela UFMT, Articulista Político, escreve semanalmente para 26 sites do estado e dois jornais impressos em MT e Um de Santos SP, comentarista politico no programa mtmaisnoticias na Radio Jovem Pan, Consultor Educacional e Consultor Politico, Proprietário das empresas Posgrado e Mtpolitica
ver artigos

Enquete

Qual seu posicionamento em relação a Reforma da Previdência?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet