Cuiabá, terça-feira, 20/08/2019
18:37:02
informe o texto

Artigos / Opinião / Robson Fraga

21/05/2019 às 13:51

Reforma da Previdência pode trazer prejuízos de R$ 13,6 trilhões para o país

A afirmação foi feita pelo ex-ministro de Previdência, Carlos Gabas, em audiência pública na AL

Foto: apub

Críticas a Proposta de Emenda Constitucional (PEC 06/2019), que modifica o sistema de Previdência Social, estabelece regras de transição e disposições transitórias, mexendo com a aposentadoria dos brasileiros, marcaram a audiência pública “Brasil e a Seguridade Social”, realizada nesta segunda-feira (20), na Assembleia Legislativa. No cerne das discussões, argumentos sobre a sustentabilidade do atual sistema que se contrapõe à proposta do governo Bolsonaro.

A PEC da Previdência está tramitando na Câmara dos Deputados e aguarda parecer do Relator na Comissão Especial. Ela estabelece mudança do regime solidário, onde a arrecadação para garantia das aposentadorias e pensões está baseada nas contribuições sobre o salário do trabalhador, para um sistema de capitalização individual, onde o empregado fará depósitos mensais em um banco privado para garantir recursos após o período laboral. 

O ex-ministro da Previdência social, Carlos Gabas, participou do debate. Em sua palestra, explicou que o atual sistema previdenciário, chamado de Proteção Básica, está previsto no artigo 194 da Constituição e traz garantias ao trabalhador e à Previdência.

“O atual sistema é solidário rateando os custos da Previdência entre empregado, patrão e governo. Quem ganha mais paga mais, num percentual que vai de 5% a 20%. As empresas contribuem com a contribuição patronal (20%) e o governo retira dos impostos o restante para complementar aposentadoria. Trata-se de um sistema totalmente sustentável, desde que o governo garanta políticas geração de emprego e renda no país”. 

Gabas disse que o novo sistema proposto pelo governo federal beneficia apenas instituições financeiras.

“Bolsonaro quer economizar R$ 1,2 trilhão com essa Reforma da Previdência. Mas seu ministro Paulo Guedes não explica qual o custo dessa transição de sistema e porque, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) da ONU, o custo será de dois PIB, ou seja, R$ 13,6 trilhões. Tem lógica querer economizar R$ 1 tri abrindo um rombo de R$ 13 tri?”, questionou. 

Segundo o ex-ministro, na maioria dos países europeus o sistema de Previdência é solidário e em apenas 35 países do mundo foi implantado o regime de capitalização individual. 

“Desses 35, um total de 18 já voltaram atrás porque a capitalização gera exclusão social, concentração de renda e empobrecimento dos idosos. já que não garante o benefício para o qual o trabalhador contribuiu ao longo da vida. Este sistema permite que bancos e financeiras invistam os recursos arrecadados da maneira que quiserem e não garante que, no final do plano contratado, haverá pagamento de aposentadoria integral. É o que ocorre no Chile, onde de cada 10 aposentados 9 recebem apenas 40% da média de salários de quando estava na ativa”.

Uma pesquisa encomendada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) ao Instituto Vox Populi, realizada entre os dias 1º e 3 de abril, em 1985 municípios brasileiros, mostrou que 65% dos trabalhadores são contra a reforma da Previdência. Os quatro pontos mais rejeitados são a obrigatoriedade da idade mínima de 65 anos para os homens e 62 anos para as mulheres; aumento do tempo mínimo de contribuição de 15 para 20 anos e a obrigatoriedade de 40 anos de contribuição para que o trabalhador receba 100% do benefício.

“A nova Previdência é uma maldade contra o povo brasileiro, pois impedirá o acesso à aposentadoria e diminuirá o valor dos benefícios. Esse aumento de cinco anos no tempo de contribuição mínima excluirá 64% dos trabalhadores do atual sistema que não conseguirá contribuir pelo tempo exigido em função dos períodos de desemprego”, completou Gabas.

A deputada federal, Professora Rosa Neide (PT), disse que Bolsonaro não pode destruir um sistema previdenciário solidário construído ao longo de décadas sem discussão com a sociedade. Para a parlamentar, “a população precisa saber das perdas que serão provocadas caso a PEC seja aprovada”. 

“Sou contra essa reforma. Ela acaba com a proteção social que o atual sistema previdenciário garante ao cidadão brasileiro na sua velhice. Não podemos importar um modelo de exclusão que deu errado em outros países e que jogará nossos idosos na miséria”, disse Rosa Neide.

O deputado estadual Valdir Barranco lembrou que a PEC diminui direitos da grande massa de trabalhadores e beneficia algumas categorias, o que considera injusto.

“As novas regras praticamente tiram dos trabalhadores o direito à aposentadoria integral, um verdadeiro absurdo. Além disso, privilegiam categorias profissionais com sistemas diferenciados. Queremos um sistema único e justo para todos os trabalhadores onde nenhum direito seja suprimido. Não aceitamos a importação de um sistema falido, rejeitado por outros países, e que deprecia os direitos trabalhistas”, disse o deputado Valdir Barranco. 

As críticas e propostas apresentadas durante a audiência pública serão encaminhadas à bancada federal de Mato Grosso para que possam ser discutidas na Câmara e no Senado antes da votação da PEC da Previdência.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet