Cuiabá, sábado, 06/06/2020
23:21:16
informe o texto

Notícias / Música

13/05/2020 às 11:20

Mulheres de Mato Grosso somam forças para circuito musical online

Com o 'Volume', a Oyá Produções quer consolidar um projeto sustentável a longo prazo durante a pandemia

Maria Clara Cabral

Mulheres de Mato Grosso somam forças para circuito musical online

Foto: Entretê

“O lugar de fala elas já têm, a gente só vai aumentar o Volume”. Este é o lema do novo projeto da Oyá Produções, capitaneado pelas produtoras Monize Lorrana e Laísa Batista, que uniu mulheres da música e diversas linguagens, como o audiovisual, para realizar um circuito de lives com artistas de Mato Grosso.

A primeira experiência foi ao ar no último domingo (10), com show de Karola Nunes pelo Youtube do Cuiabá Music, parceiro do projeto, e no Instagram da Oyá Produções.  A produção se destacou pela qualidade de som e cenário. É que a ideia é profissionalizar o uso da tecnologia streaming, consolidando um projeto com sustentabilidade a longo prazo, como alternativa de produção musical em contexto de pandemia.


As próximas lives, que acontecem nas mesmas plataformas, já tem data marcada. Nos dias 21 e 28 de maio (quintas-feiras) se apresentam Pacha Ana e Mariana Borealis, respectivamente, ambas às 20 horas.
 
Estela Ceregatti, Mônica Campos, Deise Águena, Juliana Grisólia e Luciana Bonfim são algumas das cantautoras que também já fecharam com o projeto Volume. As bailarinas Jaqueline Roque e Ivy Costa somam intervenções de dança cigana e africana. Compõem a equipe técnica a cineasta Juliana Segóvia e a designer Natalia Andrade.

“A intenção é que, com a lives, a gente disponibilize gravações em vídeo, áudio e fotos, presenteando as artistas com um novo material para divulgação de seus trabalhos. No final de tudo, a perspectiva também é lançar uma coletânea autoral de músicas, criadas antes e durante a pandemia”, revela a produtora  executiva Monize Lorrana.



Cena sustentável

Com cachê base para cada apresentação e perspectiva de renda mínima semanal para a produção do projeto, a Oyá Produções busca uma rede de patrocínios, doações e empresas parceiras, proporcionando atrações sempre gratuitas ao público. 
A cervejaria Budweiser é a principal empresa apoiadora do projeto. 

“Como estamos em pandemia, nem todo mundo pode contribuir com dinheiro, mas com produtos. Então ao invés de cobrar couvert colaborativo, vamos incentivar as pessoas a comprarem dos nossos parceiros para que esse dinheiro seja revertido como renda para as artistas. A ideia é que o projeto continue até o fim da pandemia”, explica Monize.  

Sorteios também serão realizados durante as lives e nas redes sociais para atrair seguidores às artistas e aos patrocinadores do projeto. “A gente está usando toda a nossa tecnologia e representatividade para que todos tenham um retorno legal com o trabalho”, complementa.

Na foto, a produtora Monize Lorrana e a realizadora audiovisual Juliana Segóvia
Na foto, a produtora Monize Lorrana e a realizadora audiovisual Juliana Segóvia.

Qualquer pessoa pode contribuir com valores em dinheiro, através de depósito/transferência em conta corrente. Quem quiser contribuir com cestas básicas e alimentos também pode entrar em contato com a Oyá Produções ou deixar no bar Cão Latino. “O que for além do que a gente precisa, vamos destinar para a equipe do Doar Amor MT, projeto social que alimenta pessoas em situação de rua, principalmente no Beco do Caandeiro”, afirma Monize.

Oyá produções

Com um ano de existência, a Oyá Produções tem dois eventos consagrados em Cuiabá. O ‘Baião de Três’, com Karola Nunes, Borealis e Juliana Grisólia cantando o Nordeste sob perspectiva feminina; e o ‘Samba ao Pôr do Sol’, que vinha reunindo sambistas nos fins de tarde de domingo, uma vez ao mês.

“Como nosso samba é comandado por mulheres e nosso público também é 90% feminino, fizemos o samba das 16h às 22h para que as mulheres pudessem ir para o samba com seus filhos, pois percebemos que muitas deixavam de ir a eventos para cuidar de filhos, mães ou avos”, conta Monize.

O entretenimento não é o único foco da Oyá quando se trata de mulheres e inclusão. “Além de enaltecer as mulheres do samba que por muito tempo foram excluídas, a gente organiza campanhas contra violência doméstica, abuso, empoderamento, lugar de fala e acessibilidade. O nosso samba tem crescido muito no número de pessoas com deficiência, pela estrutura que oferecemos para recebe-las”, explica.


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Oyá Produções (@oyaproducoes) em


Ingressos solidários (valores mais acessíveis mais doações) também contribuem para um público diversificado em classes sociais, estilos e idades em eventos que chegam a receber 400 pessoas.

Além da pegada humana, o Oyá também é ambientalmente sustentável. “Não usamos copos plásticos nem canudo. Todas as latinhas que sobram dos eventos são vendidas e o dinheiro revertido para instituições”, destaca a empreendedora.

 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Preencha seu email abaixo para receber atualizações diárias de nossos artigos
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet