Cuiabá, sábado, 19/06/2021
21:43:25
informe o texto

Notícias / Judiciário

01/06/2021 às 20:21

‘É um alívio’, diz Gilmar Fabris após STJ manter pena reduzida

A decisão foi proferida nesta terça-feira (1º)

Da Redação - Eduarda Fernandes / Reportagem Local - Camilla Zeni

‘É um alívio’, diz Gilmar Fabris após STJ manter pena reduzida

Foto: Marcos Lopes / ALMT

Em decisão unânime, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento ao recurso ajuizado pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT) e, com isso, foi mantida decisão que reduziu a pena do ex-deputado Gilmar Fabris pelo crime de peculato. Com a pena reduzida, Fabris consegue que seja declarada a prescrição do crime e, assim, pode tentar retornar à Assembleia Legislativa.

A decisão foi proferida nesta terça-feira (1º). Os ministros Joel Ilan Paciornik, João Otávio de Noronha e Reynaldo Soares da Fonseca votaram com o ministro relator, Ribeiro Dantas.

“Desde o começo sempre dizemos que estava prescrito. O primeiro passo foi da questão criminal, que, por unanimidade, o recurso do MP foi negado e a condenação reduzida, permitindo a prescrição. Agora, daqui para frente não sei qual caminho será tomado. Está entregue nas mãos dos advogados, caberá a eles decidir qual. Vão me posicionar ainda essa semana”, conta em entrevista ao Leiagora.

O ex-parlamentar explica que sua defesa deve aguardar a publicação do acórdão para então definir os próximos passos. “É um alívio. A felicidade é que para mim, se fez Justiça. Se pegar o processo inteiro, sequer meu nome é citado. Fiquei feliz e não é nem pela questão eleitoral, é não pagar por crime que não devo. Pagar por crime que deve já é ruim, pagar por um que não deve é pior”, comenta.

Entenda

Em 2018, Fabris foi condenado a seis anos e oito meses de prisão por envolvimento no esquema criminoso que desviou R$ 1,5 milhão da Assembleia Legislativa em 1996, quando era presidente da Casa. Depois, em recurso no STJ, o MPE conseguiu aumentar a condenação para 15 anos, seis meses e 20 dias de reclusão.

Entretanto, no dia 6 de maio deste ano, o ministro Ribeiro Dantas acolheu as alegações da defesa e reduziu a condenação para seis anos, um mês e 10 dias de prisão. Contra a sentença, o procurador de Justiça Domingos Sávio de Barros Arruda, recorreu sob argumento de que, contra Fábris, foram reconhecidas oito circunstâncias desfavoráveis quando julgado no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, e que, em reanálise, o ministro do STJ apenas reconheceu uma delas, vindo a reduzir a pena.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet