Cuiabá, sábado, 19/06/2021
20:16:59
informe o texto

Notícias / Política

10/06/2021 às 11:42

Após operação, Emanuel põe em xeque trabalho da Deccor e sugere perseguição

Prefeito disse que 'fatos estranhos' acontecem sempre depois que a gestão anuncia grandes conquistas para a Capital

Da Redação - Camilla Zeni / Reportagem Local - Alline Marques

Após operação, Emanuel põe em xeque trabalho da Deccor e sugere perseguição

Foto: Secom

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), acredita ser vítima de uma grande perseguição orquestrada por alguns membros da Polícia Civil em conluio com o governo do Estado. Em sua visão, a Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (Deccor) estaria induzindo o Ministério Público e o Judiciário ao erro.

A avaliação do gestor se deu porque, na manhã desta quinta-feira (10), a Prefeitura foi alvo da segunda fase da Operação Overpriced, que investiga contratos da Saúde.

"Quem criou a Deccor? Quando foi criada a Deccor? Vamos fazer um levantamento das ações da Deccor. O Estado teve a questão do jatinho, dos livros, dos respiradores 'xing-ling', tem agora a questão do TCU, R$ 7 milhões, ameaçando convocar o governador na CPI e teve várias denúncias, mas parece que há uma imunidade do Estado com relação às ações da Deccor", criticou o gestor. 

Emanuel afirmou que não exime a Prefeitura de culpa, considerando que são mais de 20 mil servidores, e defendeu que erros devem ser investigados. Entretanto, avaliou que fatos "estranhos" acontece apenas depois que Cuiabá anuncia grandes conquistas.

O gestor se referia ao fato de que, na tarde de ontem, anunciou que conseguiu junto ao Governo Federal a remessa de doses extras de vacina contra a covid-19 para Cuiabá. 

O prefeito acrescentou que não estaria atacando a instituição da Polícia Civil, mas que alguns membros estariam agindo de forma abusiva. Ele ainda garantiu que possui "elementos" que devem o auxiliar a tomar "algumas medidas". Ele não entrou em detalhes. 

"Estão induzindo o Judiciário e o Ministério Público ao erro, propositadamente, com o intuito de atingir o prefeito e a gestão Emanuel Pinheiro", finalizou.

A operação Overpriced foi deflagrada inicialmente em outubro de 2020, para apurar um suposto faturamento na aquisição de medicamentos para tratamento do novo coronavírus. Na época, o secretário de Saúde, Luiz Antônio Pôssas de Carvalho, foi afastado judicialmente e exonerado pela Prefeitura, a pedido dele. 

Esta não é a primeira vez Emanuel alega que a Deccor estaria agindo para perseguir sua gestão, a pedido do governador Mauro Mendes (DEM). Em 2019, o prefeito procurou a Assembleia Legislativa para denunciar suposto uso ilegal da máquina pública por parte do governador. Na época, ele citou a Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz).

Outro lado

A reportagem procurou a assessoria de imprensa da Polícia Civil, que informou que não vai comentar sobre as alegações do gestor.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet