Cuiabá, segunda-feira, 08/08/2022
07:05:31
informe o texto

Notícias / Polícia

04/07/2022 às 13:00

Paccola diz não estar arrependido e garante que imagens comprovarão a versão dele

Vereador garante que agiu de forma técnica a fim de defender a esposa da vítima e a própria vida

Da Redação - Kamila Arruda / Da Reportagem Local - Jardel P. Arruda

O vereador de Cuiabá, tenente-coronel Marcos Paccola (Republicanos), afirma que não se arrepende de ter atirado e matado o agente socioeducativo Alexandre Miyagawa, 41 anos, na sexta-feira (1º). Ele garante que agiu de forma técnica a fim de defender a esposa da vítima e a própria vida.

“Estou muito entristecido, porque me coloco na situação da família, enlutado também. Não pensem que eu não estou sofrendo as consequências de tudo isso. Minha mãe, minha esposa, minha família estão sofrendo muito por conta disso, mas o sofrimento da outra família sem sombra de dúvida não se compara. Nós nos colocamos, temos essa empatia, e pode ter certeza que em toda minha vida nunca saí de casa pensando em matar alguém. Agi de forma técnica e correta, sem sombra de dúvidas”, afirmou na manhã desta segunda-feira (4), em entrevista à imprensa.


Paccola conta que antes de proferir os disparos pediu, por várias vezes, para que o agente abaixasse a arma, mas não foi atendido. Diante disso, optou por fazer os disparos.

Leia também - Vídeo mostra momento em que Paccola atira em agente socioeducativo

“Eu tenho convicção que as imagens vão mostrar, a Polícia Civil já está coletando as imagens, vai ver que a versão que eu coloco é exatamente a versão na construção das imagens, diferente do que as pessoas estão dizendo de que ele não estava coma arma na mão, que não sacou a arma”, disse, reafirmando que agiu de forma técnica.

"Homem não saca arma para ameaçar uma mulher. Normalmente, a ameaça é física e verbal, quando ele toma essa atitude, ele saca para uma mulher, ele saca para executar, geralmente executa e foge ou executa e suicida", completou.


Ele ainda contesta os comentários de que tenha atirado nas costas do agente socioeducativo. “Há uma diferença de tiro nas costas e pelas costas. Se eu tivesse como alguns falam, atirado pelas costas, ele teria caído de bruços e não de frente. Tecnicamente eu sei que aquele começa atirando em confronto, quando voe deixa pro seu oponente decidir, 80% perde o confronto e eu não podia deixar aquela situação aconteceu”, finalizou.
Clique AQUI, entre no grupo de WhatsApp do Leiagora e receba notícias em tempo real


 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet