Cuiabá, sábado, 06/03/2021
09:51:14
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

04/07/2018 às 17:23

Nova Mutum/MT: Colheita do milho ultrapassa dos 30% e possivelmente ficará a céu aberto

Redação Leiagora

O presidente do Sindicato Rural de Nova Mutum/MT, Emerson Zancanaro, afirma que a colheita de milho está em andamento, com mais de 30% da área local, porém o produto não foi comercializado em sua totalidade e existe uma possibilidade do grão ficar em ?céu aberto?, devido ao problema de escoamento que a classe enfrenta nesses últimos meses. ?Entre 30 e 35% da área local está colhida, mas é preocupante a falta de espaço para armazenamento. Dessa safra 2017/2018 apenas 40% já foram vendidas. Nenhuma trading está escoando, pois o impasse do tabelamento inviabiliza o serviço nos portos?, disse o presidente ao Leiagora.

O ?céu aberto? trata-se de que muitos produtos ficarão em bolsas plásticas (silos-bolsa), o que aumentaria o custo de R$ 1, por saca, e ainda assim não será o suficiente para a armazenagem de todos os produtos.

Outra preocupação é quanto aos fertilizantes que não estão chegando nas fazendas, visto que os produtores aguardam a decisão do tabelamento. ?Os produtos estão retidos nos armazéns dos portos, com os valores encarecidos para subir ao estado. E, isso também não é bom, pois o início do plantio da nova safra está previsto para outubro, em Nova Mutum?, alerta o presidente.

Segundo Zancanaro, os produtores não possuem armazém o suficiente para a quantidade de grãos que plantam. ?Nós produzimos muito mais do que a capacidade de armazenamento e escoamento. Em torno de 60% da capacidade de produção não possui armazém e os 40% deles depende de escoamento?. Ele ainda ressalta que, no momento, os produtores rurais estão somente exportando para mercado interno, nas regiões do Rio Grande do Sul, e os navios em meados de julho, iniciará o escoamento dos grãos para o Oriente Médio e China.

Os produtores esperam uma decisão da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) quanto ao tabelamento de frete. ?Esperamos que seja logo resolvido o problema do tabelamento de frete para que possamos fazer uma safra com tranquilidade. Estamos preocupados com o impacto direto na inflação que o frete atingirá no setor, uma vez que isso se transformará em uma cascata em frete sob frete, e consequentemente, atingirá a sociedade nos principais produtos das gôndolas, tais como o óleo, arroz, feijão. Para concluir, o consumidor final pagará a conta?.

 

Por Laura Arruda

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet