Cuiabá, domingo, 21/04/2019
07:11:51
informe o texto

Notícias / Política MT

10/04/2019 às 09:17

Selma Arruda é cassada e MT terá novas eleições

Na terça (9), a defesa da senadora ingressou com exceção de suspeição do desembargador Pedro Sakamoto

Fernanda Leite

Selma Arruda é cassada e MT terá novas eleições

Foto: Assessoria

(Atualizada 16h37) - O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE) cassou em votação unanime, o mandato da senadora Selma Arruda (PSL).  Ela é acusada de praticar caixa dois e abuso de poder econômico nas eleições passadas.

O relator do processo, desembargador Pedro Sakamoto, votou pela cassação da senadora e de seu suplente Gilberto Possamai (PSL). Ele solicitou ainda, novas eleições para a vaga de senador. O relator pediu para o 3º colocado, no caso, ex-vice governador Carlos Fávaro (PSD) assumisse o mandato até a convocação de uma nova eleição. Porém, a maioria dos juízes negaram. 

O magistrado também colocou a inelegibilidade de oito anos a ela e  seu vice, Possamai. A terceira suplente Clérie Fabiana Mendes ficou livre da punição. 

Acompanharam o voto do relator  Sakamato;  os juízes Vanessa Perenha Gasquez e Ricardo Almeida, juiz Antônio Veloso Peleja Júnior, juiz Luis Aparecido Bertolucci e o juiz Jackson Coutinho e a presidente da Corte, Marilsen Addário.

Caixa dois

A senadora é acusada de praticar crimes de caixa 2, abuso de poder econômico e político nas eleições de 2018.

Ela  é alvo de uma ação de investigação judicial eleitoral após o advogado Sebastião Rezende – que perdeu a disputa pelo Senado – tê-la acionado na Justiça. Na época, ele chegou a registrar um boletim de ocorrências, pois a senadora, em live, o chamou de laranja do ex-deputado federal, Nilson Leitão (PSDB).

A ação ganhou força quando o ex-vice-governador, Carlos Fávaro (PSD), também a acionou na Justiça pelos crimes. Inclusive, a defesa do PSD é quem vem sustentando a ação na Justiça.

Favaro chegou a ser cogitado pelo desembargador Pedro Sakamoto a assumir a vaga até que haja uma nova eleição, mas isso foi descartado pelos demais magistrados.

Pedido de suspeição

Na sessão de hoje, o Pleno também analisou o pedido de exceção de suspeição do desembargador Pedro Sakamoto.  Selma acusou o desembargador de ter vazado seu voto para a mídia.

“Conforme se verificará adiante, o fundamento da presente arguição é o vazamento na mídia do voto do relator. Nesse sentido, esse vazamento ocorreu no dia 04/04/2019, conforme notícias vinculadas na mídia local”, diz trecho da ação impetrada pela defesa.

O juiz Jackson Coutinho negou o pedido  para afastar o relator do processo, o  desembargador Pedro Sakamoto, por suposto vazamento à imprensa de seu voto. Conforme o juiz, o relator sequer falou com alguns sites de notícias. O Ministério Público Eleitoral (MPE) já se manifestou contra o afastamento do relator. 

Advogado do PSD pede 3 desembargadores para evitar 'manobra' 

O ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que atua como advogado do PSD-MT,  disse durante coletiva na terça-feira, que foi solicitado a presença de três desembargadores do Tribunal de Justiça para acompanhar o julgamento. Eles querem evitar um novo adiamento por falta de quórum, como ocorreu na sessão de ontem. 

O julgamento deveria  ter ocorrido na terça-feira (9), porém, o presidente da Corte, desembargador Márcio Vidal, declarou-se suspeito para atuar no caso.   A desembargadora Marilsen Addário foi convocada para substituir Vidal. 

Vídeo Relacionado

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Evandro 11/04/2019 às 00:00

    No Mato Grosso é assim sempre que tem mudança outra mudança é feita

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet