Cuiabá, quinta-feira, 19/09/2019
21:27:50
informe o texto

Notícias / Cidades

22/04/2019 às 16:19

Ministro da Saúde garante ajudar Santa Casa e pede ‘estudo’ do problema

União está disposta a ajudar, porém, até o momento não houve demonstração de valores e onde está o problema do caos na entidade filantrópica

Fernanda Leite

Ministro da Saúde garante ajudar Santa Casa e pede ‘estudo’ do problema

Foto: Reprodução internet

O ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que está em Cuiabá, comentou sobre a ‘polêmica’ envolvendo o fechamento da Santa Casa de Misericórdia. Ele disse que a União está disposta a ajudar, porém, até o momento não houve demonstração de valores e onde está o problema do caos na entidade filantrópica.

Leia mais: ‘Estamos pedindo socorro’, protestam crianças em prol da Santa Casa

“Precisamos saber do impacto, planejamento. Onde vamos chegar com o investimento do dinheiro público. O Ministério da Saúde quer ajudar. É importante deixar claro a responsabilidade dos gestores que criaram essa situação, a responsabilidade dos gestores filantrópicos. Outra parte é a assistência à população. Se a gente conseguir que a sociedade entenda porque as coisas chegaram no ponto que chegaram, aí todos nós vamos ser atores do nosso tempo e enfrentar esse problema”, disse Mandetta.

O ministro participou do lançamento da 17ª Semana de Vacinação nas Américas (SVA) e da inauguração de uma ala do novo Pronto-Socorro.

“Me incomoda ver o hospital fechar. Principalmente o Santa Casa pela história. Peço que a população fique tranquila, vamos enfrentar seja como for”, relatou.

Fechamento

A Santa Casa completa nesta quinta-feira (11) um mês de paralização das atividades. A administração do hospital anunciou o fechamento por causa da falta de repasses da prefeitura no valor de R$ 3,2 milhões. O recurso seria para ajudar a pagar salários dos funcionários que estão há 5 meses sem receber.

Outro problema que acarretou no fechamento do hospital foi relativo a uma dívida superior a R$ 118 milhões, referentes à folha, fornecedores, ações trabalhistas e outros.

Prefeitura veta repasses

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) alegou que a Prefeitura de Cuiabá não assinou o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), para que fosse possível a Santa Casa receber o valor de $ 3,5 milhões da Assembleia Legislativa e outros R$ 3,5 milhões da prefeitura, totalizando R$ 7 milhões, porque o Ministério Público Estadual (MPE) se recusou a firmar o acordo com a atual gestão do hospital. Segundo o prefeito, o MP pediu a troca de toda diretoria da Santa Casa para liberar o recurso.

A prefeitura alegou que a instituição deve o montante  no valor de R$ 24.866.260 milhões, referentes a cirurgias eletivas não executadas, exames de diagnósticos eletivos, leitos de retaguarda, emendas pagas sem pactuação e/ou sem contrato e para o setor de oncologia. 

Os R$ 3,6 milhões, conforme a prefeitura,  seriam destinados a uma antecipação de serviços que eram para ser prestados.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Você está satisfeito (a) com a gestão do governador Mauro Mendes?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet