Cuiabá, quarta-feira, 22/05/2019
13:44:26
informe o texto

Notícias / Educação

29/04/2019 às 12:39

LTV debate bullying nas escolas; veja vídeo

Relação familiar, empatia e interação por meio de jogos cooperativos com colegas foram pontos debatidos

Josiane Dalmagro/Iury Lupaudi

Em entrevista ao vivo, o LTV debateu questões relacionadas ao bullying escolar com um diretor de escola municipal, uma psicóloga e uma representante da educação estadual.

A psicóloga comportamental, especializada em psicopedagogia, Geise Machado, conta que muitas crianças levam ao consultório o que ouvem dentro de casa, que em muitos casos causa o tolhimento, com pais os chamando de burros, e que é necessária mudança de comportamento dos pais para prevenir a situação. 
“Não há reforço familiar, essas crianças muitas vezes apresentam isolamento, agressividade e outros sintomas que não são notados pelos pais e já são indícios de sofrimento de bullying”,

Ela relata que esse tipo de situação prejudica não apenas quem sofre e quem realiza o bullying, mas também há prejuízos para quem convive com a situação e se sente acuado, ou seja, é um problema muito maior e que precisa ser debatido, além da orientação aos pais, que se faz necessária.

O diretor do Ceei Portal da Fé, Jorge Gabriel Ramires Junior, pontua que, hoje, muitos desses pais não percebem o que está ocorrendo, por criarem um distanciamento dos filhos, com utilização do celular como ferramenta para conseguirem “paz e sossego”, deixando o filho à mercê da tecnologia.

“Identificamos as crianças isoladas, que sofrem com apelidos e outros comportamentos. Prestamos atenção na criança, como ela se porta nesse universo novo, que é a escola - no meu caso que são crianças de ensino básico -  procuramos trazer a família e conselho tutelar para dentro da escola, para refletir o problema e assim poder superar. Na criança trabalhamos a empatia com o coleguinha e tentamos entender o que ocorreu, já que, às vezes, ele está replicando o que ele sofre em casa”, explica.

Jorge afirma que o uso de jogos cooperativos são outra forma de criar convívio social saudável entre as crianças, como forma de ajudar a lidar com isso, com brincadeiras e aumentar a interação social da criança.

Veja aqui a entrevista completa, que conta ainda com a presença da Patrícia Simone de Carvalho, do Núcleo de Projetos Educacionais da Secretaria de Estado de Educação.

Vídeo Relacionado

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Rosana 30/04/2019 às 00:00

    Parabéns pela materia e debate, sou mãe e me esclareceu muitas coisas.

Enquete

Qual sua situação sentimental atual?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet