Cuiabá, segunda-feira, 24/06/2019
07:12:54
informe o texto

Notícias / Variedades

20/05/2019 às 08:32

A parceria com Fernanda Montenegro, pelo diretor

Leiagora

A parceria com Fernanda Montenegro, pelo diretor

Foto: Reprodução Internet

Na entrevista, Karim Ainouz manifesta sua preocupação, e até indignação. Como no governo de Fernando Collor de Mello, quando extinguiu a Embrafilme, ele vê agora uma nova tentativa de desmontagem do cinema brasileiro. "Não conseguiram uma vez, e estão tentando de novo. Mas essa gente vai passar e o que nos define, como brasileiros, não são eles, que não têm grandeza nenhuma. O que nos define é a Fernanda Montenegro, essa grande atriz com quem tive o privilégio de trabalhar."

Fernanda faz uma das irmãs, muitos anos depois, na atualidade. "Ela é maravilhosa, uma atriz excepcional e uma pessoa humana generosa. Fernanda não prega o ódio, é toda amor. É a expressão de tudo de bom que o Brasil tem a oferecer. Prefiro me ligar nela, que engrandece meu filme."

Karim Ainouz tem feito filmes que abordam o universo trans (Madame Satã) e o gay (Praia do Futuro). Ofereceu grandes papéis a Lázaro Ramos, no primeiro, e a Wagner Moura, no segundo. Mas ele não seria um grande cineasta sensível às questões femininas se não tivesse feito também O Céu de Suely e O Abismo Prateado, em que Hermila Guedes e Alessandra Negrini estão excepcionais. Aïnouz e Fernanda Montenegro andaram trocando mensagem sobre a reciprocidade da troca em A Vida Invisível de Eurídice Gusmão.

O filme dá visibilidade às mulheres anônimas, sofridas, guerreiras. "Para mim, dirigir um ator é um ato de comunhão", explica Ainouz. "Na verdade, essa comunhão é algo próximo a uma paixão avassaladora que dura o período do trabalho. Digo paixão, pois para mim só faz sentido se for assim, se puder ser incansável, arrebatador e potente. Acho que nesse sentido, também, como a paixão, isso não tem nenhuma particularidade em relação a ser no Brasil ou na Alemanha, ou onde mais for. Meu trabalho como diretor existe na medida em que existe esse lugar comum de entrega e confiança, se eu não suscitei isso no ator, arrisco a dizer que nem o dirigi. Por isso, também, minha alegria, tendo a certeza de que eu tive o prazer de experienciar esse filme com você. O filme para mim é um processo vivo que se nutre muito desse lugar onde as entregas todas se encontram, minha, dos atores e de toda equipe, dirigir para mim é, em algum sentido, organizar todas essas potências."

 
Direto da redação, Luiz Carlos Merten, Agência Brasil

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Qual seu posicionamento em relação a Reforma da Previdência?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet