Cuiabá, segunda-feira, 08/03/2021
01:33:01
informe o texto

Notícias / Judiciário

23/05/2019 às 11:36

STJ suspende decisão do TJMT e permite recuperação judicial de produtor rural

Ministro analisou caso de grupo de produtores rurais de Claudia no MT

Leiagora

STJ suspende decisão do TJMT e permite recuperação judicial de produtor rural

Foto: Reprodução internet

O Ministro do Superior Tribunal de Justiça, Marco Aurelio Bellizze, deferiu medida liminar para suspender a decisão da Quarta Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso que impedia a recuperação judicial dos produtores rurais Alessandro e Alessandra Nicolli. A decisão foi publicada em diário oficial ontem (22.05). A decisão, inovadora, reforça a tese de que produtor rural não precisa de registro em Junta Comercial de dois anos para confirmar atuação como empresa.  

O processo havia sido suspenso depois que a credora Louis Dreyfus Company do Brasil pediu a suspensão do processo de recuperação, via TJMT, após nove dias do deferimento pela 2º Vara Civel da Comarca de Sinop.
Com a decisão do STJ o processo de recuperação judicial, volta a tomar curso com as negociações coletivas com seus credores.

Na liminar o juiz entende que “sustentam em síntese, que a pessoa física que explora nacional e economicamente o imóvel rural, como ocorre no caso, já são definidos como empresas rurais regulares, não se lhes exigindo outra forma de verificação desta condição. Nesse contexto, consideram-se legitimados para ingressar com pedido de recuperação judicial"

Segundo o ministro "no seu entender, o que a lei estabelece como conceito jurídico para a comprovação da atividade rural é a prova da exploração econômica do imóvel ... detectada em perícia prévia realizada antes do deferimento da recuperação."

De acordo com o advogado do processo, Allison Giuliano Franco e Sousa, da ERS Advocacia,  a decisão cria um novo ambiente de negociação com credores. “Com a decisão a empresa se  mantém como fonte produtora de recursos e mantém os empregos que gera. Mesmo com este cenário de crise generalizada que passa o agronegócio no país.

Conforme Souza a decisão do STJ  segue o entendimento do Tribunal de Justiça de São Paulo, que sistematicamente consolidou o entendimento defendido no mesmo recurso. Esse entendimento também se mantém nos Tribunais de Justiça do Paraná, Bahia e Goiás.

Segundo o Ministro nesse cenário “torna-se impositiva uma nova discussão aprofundada sobre o tema pelo órgão colegiado, sendo os fundamentos aduzidos.... o que permitirá que a Terceira Turma dessa Corte Superior firme posição sobre a questão debatida.”

Para Franco e Sousa a decisão provoca a debate amplo sobre o problema do “superendividamento no agro do Brasil”.  “O momento de arrumarmos a casa é agora, a lei existe para criar um sistema que permita a franca negociação entre todos envolvidos.”

A EMPRESA - O grupo Nicoli existe há 17 anos,  atua em agricultura com as culturas de soja, milho, arroz e pastagens nas cidades de Claudia, Itaúba, Santa Carmem e Nova Canãa do Norte.  E gera aproximadamente 100 empregos diretos e indiretos.
 
RJ X PRODUTOR RURAL - Em 2019 em Mato Grosso e São Paulo foram ajuizados 23 pedidos de recuperação judicial de produtores rurais, apenas no grupo ERS. No Paraná, a Usina Santa Helena pediu recuperação judicial com um passivo de R$ 4 bilhões, onde foi deferido o processamento para o produtor rural empresário, que comprovou atividade regular por mais de dois anos, independente de registro na Junta Comercial ter sido efetuado recentemente.
Direto da assessoria 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet