Cuiabá, terça-feira, 20/08/2019
20:12:33
informe o texto

Notícias / Entrevistas

25/05/2019 às 14:00

“Não tenho uma varinha de condão para fazer tudo isso”, diz Secretária de Educação; Veja vídeo

Marioneide se refere às reivindicações dos servidores da educação de Mato Grosso

Josiane Dalmagro / Iury Lupaudi

A secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, esteve presente nos estúdios do Leiagora/LTV para falar sobre a greve na educação e explanar as reivindicações dos servidores, como RGA, a dobra do poder de compra dos profissionais da educação, calendário de pagamentos, a liberação das licenças-prêmio, das licenças para qualificação profissional e sobre a atual situação orçamentária da pasta.

“Seria uma mágica, em 150 dias de gestão, conseguir contornar tudo isso, mediante a conjuntura político-econômica que nós encontramos e que vivenciamos, não só no Estado de Mato Grosso, como no nosso país. É um momento em que os investimentos a nível nacional têm reduzido muito para o Estado e essa é uma grande deficiência e dificuldade que estamos encontrando”, justificou ela.

Apesar disso, a secretária afirmou que o governo tem aberto espaço de negociação e que estão ocorrendo reuniões por meio de um comitê estratégico com membros da Sefaz, Seplag, Seduc e Casa Civil, para dialogar com o sindicato da categoria.

“Avançamos em alguns pontos, já foi encaminhado um calendário para reuniões junto ao Sintep, para tratar destas situações, com reuniões previstas para junho, agosto e outubro”, disse Marioneide.

Sobre a licença-prêmio, ela afirmou que elas vêm sendo liberadas e estariam no plano de demanda deste ano,  onde 276 servidores terão o benefício.

“A cada um que sai, eu preciso colocar outro no lugar e isso demanda investimento também. O governador deixou bem claro que, na gestão dele, é para garantir ⅓ de férias dos contratados. Só que este investimento traz um aumento de quase R$ 21 milhões na folha de pagamento da Seduc. Eles nunca receberam ⅓ de férias e agora isso está sendo corrigido - o que ficou para trás é outra negociação. Nosso orçamento utiliza 95,6% para folha de pagamento. É um orçamento de R$ 3,2 bilhões, dos quais R$ 2,814 bilhões vão para folha de pagamento. Sobra para investimentos e despesas operacionais apenas R$ 300 milhões, então a conta não fecha”, explica a gestora.

De acordo com ela, desses R$ 300 milhões, R$ 116 milhões são para transporte escolar, R$ 48 milhões são recursos para manutenção do projeto político pedagógico das escolas, R$ 57 milhões foram pagos em taxa de energia no ano (para as 768 escolas, 98 assessorias, 15 polos de Centro de Formação dos Profissionais da Educação) e R$ 29 milhões para alimentação escolar.

Além destas despesas, Marioneide pontua que ainda há gastos com locação de imóveis, combustível, com o Conselho das assessorias pedagógicas e, sendo assim, sobra muito pouco para capacidade de investimento na Seduc.

“Temos corrido atrás para buscar a captação de recursos e conseguimos R$ 35 milhões para investir por meio de recursos oriundos da ALMT, que vai nos apoiar nas questões de reformas, com destinação de emendas parlamentares”, disse.

O problema é de outras gestões

“O que estamos fazendo enquanto governo é a discussão, o diálogo, estamos abertos ao diálogo sempre, através de um comitê estratégico que foi criado para discutir a greve, mas é importante que todo e qualquer cidadão tenha conhecimento de algumas situações. Já estamos com salários parcelados em Mato Grosso, isso é uma realidade que nenhum governo coloca por querer criar esse estado de calamidade financeira. O Estado possui dívidas com fornecedores e municípios e o problema não é de uma gestão, é de anos e anos que vêm acontecendo”, desabafa a secretária de Educação.

Ela afirma que, apesar dos apontamentos, a gestão está trabalhando para organizar a situação, alegando que não irá realizar qualquer investimento, antes que isso ocorra. 

“Não se compra uma caneta na minha gestão até arrumar a casa, precisamos colocar o trem nos trilhos”, finalizou.

Vídeo Relacionado

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet