Cuiabá, segunda-feira, 08/03/2021
01:34:54
informe o texto

Notícias / Judiciário

27/05/2019 às 11:05

TJ determina que pai tem direito a ficar com o filho mesmo em período de amamentação

O TJ-MT negou pedido de uma mãe de um bebê de quatro meses, que requereu que o pai fosse impedido de pegar a criança todos os finais de semana.

Maisa Martinelli

O pai tem direito a ficar com o filho, em dias e horários pré-determinados, mesmo no período da amamentação da criança. Essa foi a decisão da Primeira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), que indeferiu o pedido de uma mãe de um bebê de quatro meses, que requereu que o genitor fosse impedido de pegar a criança todos os finais de semana de manhã e a devolvesse na parte da tarde.

A mãe do bebê ingressou com Ação de Alimentos com Regulamentação de Direito de Visita na Comarca de Pedra Preta (238 km de Cuiabá). O juiz de Primeiro Grau estabeleceu pensão alimentícia, além de fixar horários de visita.

A genitora, então, entrou com recurso ao Tribunal, alegando que, além de estar no período de amamentação, o bebê é prematuro – nascendo aos seis meses de gestação- e requer cuidados especiais, por sofrer de bronquite, não podendo estar exposto a variações de temperatura, tendo que tomar corretamente medicamentos. Além disso, a mãe argumentou que a criança corre riscos de morte, caso não seja levada urgentemente ao hospital toda vez que passar mal. No recurso, a genitora pede reforma da decisão em relação às visitas.

O relator da ação, o desembargador João Ferreira Filho, pontua que os documentos juntados aos autos realmente sustentam a alegação recursal do nascimento prematuro da criança, porém que não há informação de que o bebê sofre de bronquite. “Aliás, se isso de fato ocorresse, a própria vida da criança seria diretamente atrelada à vida da mãe, que não poderia dela se separar em momento algum, o que, como sabemos, não é o caso”, afirmou o relator.

“O pai poderá, com responsabilidade ínsita ao encargo de genitor, dedicar cuidados à manutenção da saúde da criança, e o fato de a criança ficar sob sua responsabilidade no período da manhã e da tarde nos finais de semana não implica em risco a sua vida”, observou. “Pelo exposto, sendo insubsistente a alegação recursal e inegável o direito do pai à convivência com sua prole, desprovejo o recurso, mantendo intocada a decisão agravada”, finalizou João Ferreira.
Com informações do TJMT

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet