Cuiabá, terça-feira, 20/08/2019
01:14:26
informe o texto

Notícias / Judiciário

05/06/2019 às 10:58

Judiciário promove ressocialização de condenados em Cuiabá

Nas unidades prisionais do Estado são desenvolvidas atividades laborais e educacionais em diversas frentes, tanto internas quanto extramuros.

Leiagora

Judiciário promove ressocialização de condenados em Cuiabá

Foto: Agua Boa News

“Todas as pessoas que estão presas no Brasil vão ganhar liberdade um dia. O mais perigoso que você possa imaginar vai ganhar liberdade. Que tipo de cidadãos nós queremos ter na nossa sociedade?”. Com esse questionamento, o juiz Geraldo Fidelis, da Vara de Execução Penal de Cuiabá, reflete sobre a ressocialização por meio do trabalho, atualmente proporcionada a 4.200 pessoas condenadas em cumprimento de pena no regime fechado, o que representa aproximadamente 35% da população encarcerada de Mato Grosso.
 
Nas unidades prisionais do Estado são desenvolvidas atividades laborais e educacionais em diversas frentes, tanto internas quanto extramuros. Marcenarias, hortas, serralherias, fábricas, oficinas de corte e costura, ateliê de artesanato, limpeza, pintura, manutenção predial, teatro, confeitaria e educação formal são alguns da atuação integrada entre Judiciário, Executivo e iniciativa privada.
 
Conforme explica o magistrado, são analisadas variantes importantes para conceder o direito ao trabalho de pessoas condenadas criminalmente, garantido desde o artigo 1º da Lei de Execuções Penais (Lei 7.210/1984). O cumprimento de parte da pena, o perfil da pessoa, bom comportamento, raízes afetivas na cidade e amparo familiar são alguns dos requisitos aferidos por equipe psicossocial do juízo competente e chancelado pelo magistrado responsável pela fixação da pena.
“Nós precisamos abrir campo de trabalho para esse público. Temos que buscar meios da pessoa, quando estiver próxima à liberdade, estar integrada. Nós estamos incentivando para que mudem e passem a viver no mundo da honestidade, da cooperação e da harmonia. Temos que mostrar uma luz para segurarem e caminharem, ocupar o tempo útil dessas pessoas o máximo possível, com escola e trabalho, mostrar o quanto vale o trabalho honesto, correto, sério e íntegro. Elas precisam suar e pagar a dívida com a sociedade”, considera o juiz Geraldo Fidelis.
 
A inércia dentro do cárcere é o caminho que vai na contramão da integração. Nas atividades extramuros, há 400 reeducandos do regime fechado trabalhando remunerados em empresas privadas e órgãos públicos, como é o caso do reeducando L.F.F., que trabalha na área de serviços urbanos em ruas e avenidas de Cuiabá. Ele conta que se sente orgulhoso por desempenhar a função árdua, porém, valorosa.
 “Sou um dos pioneiros no trabalho. Passamos por uma bateria de entrevistas dentro do presídio antes de sair. É um orgulho e um prazer. Às vezes é um serviço sacrificante ficar no sol, mas vale a pena. Além de ganharmos um salário que ajuda a nossa família, ainda conseguimos a remição da nossa pena”, elenca.
 
Conforme estabelece a Lei de Execuções Penais, a empresa ou órgão público que contrata mão de obra de reeducandos tem a isenção de encargos trabalhistas, pois a CLT não se aplica à contratação de cumpridores de pena nos regimes fechado e semiaberto. O empregador fica isento de encargos gerais como férias, 13º salário e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Cabe a quem contrata garantir alimentação, transporte e remuneração – fixada no valor de um salário mínimo.
 
A reeducanda E.Z.S. também realiza o trabalho extramuros e afirma que isso representa “liberdade, dignidade e uma ajuda muito grande. Muitos pensaram que não aguentaria trabalhar por conta do sol quente, mas o sol é tão quente que só de estar aqui fora, para mim, já está refrescando. É bem melhor do que estar lá dentro”.
 Da assessoria do TJMT

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet