Cuiabá, terça-feira, 20/08/2019
02:29:41
informe o texto

Notícias / Judiciário

06/06/2019 às 09:07

Oficial de justiça acusado de corrupção passiva é afastado do cargo

O servidor solicitou o pagamento de dinheiro para deixar de cumprir suas funções

Maisa Martinelli

Oficial de justiça acusado de corrupção passiva é afastado do cargo

Foto: Alan Cosme

O juiz Bruno D`Oliveira Marques determinou o afastamento do oficial de justiça, Francisco Rodrigues da Silva, preso em flagrante na última quarta-feira (5), acusado de corrupção passiva e concussão. O magistrado determinou o afastamento por 60 dias, podendo ser prorrogado por igual período.

"CONSIDERANDO que, consoante decisão proferida nesta data, se faz necessário o afastamento preventivo do servidor Francisco Rodrigues da Silva do exercício do cargo de Oficial de Justiça, como medida cautelar para não só prevenir a repetição da conduta, como também para assegurar a adequada produção das provas destinadas à apuração da conduta”, diz parte da Portaria.

O juiz considerou como reprovável a conduta de Francisco, que pediu R$2 mil para deixar de praticar ato de seu ofício, chegando a receber R$500 para cumprir tal finalidade.

“CONSIDERANDO que, consoante cópia integral do Auto em Prisão em Flagrante encaminhada por meio do Oficio n° 1344/19/CART-B/DECFCAP/MT, os fatos noticiados caracterizam reprovável postura por parte do servidor Francisco Rodrigues da Silva, consistente em solicitar, da pessoa de Patrícia Verônica Paiva de Castro e Moura, a quantia de R$ 2.000,00 (dois mil reais) para deixar de praticar ato de seu ofício e, em seguida, receber efetivamente a quantia de R$ 500,00 (quinhentos reais) para a mesma finalidade.”

O magistrado destacou ainda que “o processo disciplinar será instaurado independentemente de sindicância, quando houver confissão lógica ou "forem evidentes a autoria e materialidade da infração".

O caso

Francisco foi preso nesta quarta-feira (5) pela Polícia Judiciária Civil, após denúncias de que o oficial de justiça estaria requerendo certa quantia de dinheiro em troca de não dar seguimento em uma ação judicial de penhora de bens.

A vítima contou, durante relato da Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), que as taxas do condomínio onde mora estavam atrasadas. Para quitar a dívida, a moradora pagou parte das parcelas atrasadas, fazendo um acordo para adimplir a conta com o condomínio.

A vítima conta que, durante as negociações, o oficil de justiça a procurou, afirmando estar em posse de um mandado de execução referente às taxas condominiais, podendo haver o confisco de bens.

Francisco teria feito uma proposta para a moradora de que, se ela fizesse o pagamento de R$2 mil, ele não daria seguimento na ação, e constaria nos autos de que não foi encontrado nenhum bem passível de penhora. Como a mulher informou que não teria esse valor, o oficial de justiça teria dito que faria por R$500.

Diante disso, o servidor foi até o estabelecimento comercial da vítima, onde foi surpreendido pelos policiais civis no momento em que recebia o dinheiro.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet