Cuiabá, quarta-feira, 19/06/2019
14:55:56
informe o texto

Notícias / Mundo

06/06/2019 às 14:44

Acordo Mercosul-União Europeia deve sair entre três e quatro semanas, diz Guedes

O acordo já vem sendo negociado há mais de 20 anos

Leiagora

Acordo Mercosul-União Europeia deve sair entre três e quatro semanas, diz Guedes

Foto: Adriano Machado / Reuters

O ministro da economia, Paulo Guedes, afirmou que o Mercosul deve "fechar o acordo com a União Europeia em três ou quatro semanas". O acordo vem sendo negociado há mais de 20 anos.

Guedes falou a jornalistas na Casa Rosada, sede do governo argentino, nesta quinta-feira (6).
O tratado que vem sendo negociado tem por objetivo abrir mercados entre os dois blocos. Países do Mercosul almejam vender carne bovina, frango e açúcar. Já os europeus pretendem vender mais produtos industriais ao bloco sul-americano.
 
Logo após a eleição do presidente Jair Bolsonaro, Guedes afirmou que o Mercosul não era prioridade do novo governo, em uma resposta ríspida a uma repórter do jornal argentino Clarín. "O Mercosul não é prioridade. Mercosul não é prioridade, está certo? É isso que você queria ouvir?", disse à época.

Em janeiro, já no cargo de ministro, Guedes tentou amenizar o mal-estar causado com autoridades argentinas. Afirmou que o bloco econômico é importante e que o governo brasileiro não pretende tratar o Mercosul como algo sem relevância. Além de Brasil e Argentina, fazem parte do Mercosul Paraguai e Uruguai.

Guedes acompanha nesta quinta a comitiva do presidente Bolsonaro à Argentina. Em declaração conjunta dos presidentes Mauricio Macri e Jair Bolsonaro, o argentino afirmou que o bloco precisa se modernizar após 30 anos de existência.

Macri disse que foi discutido um intercâmbio energético, e reafirmou que o Mercosul está muito perto de um acordo com a União Europeia. Os termos devem ser fechados em uma reunião técnica em Bruxelas.

O argentino mencionou ainda a Venezuela, dizendo que ambos conversaram sobre o "duro momento que estão vivendo os venezuelanos. Faremos todo o possível para reestabelecer a democracia lá", afirmou.

Já Bolsonaro disse que se conversou sobre duas hidrelétricas que devem ser construídas na fronteira do Rio Grande do Sul com a Argentina.

Bolsonaro falou ainda sobre as eleições presidenciais argentinas, que ocorrem em outubro deste ano.

O brasileiro conclamou "todos os argentinos a votar com a razão e não com a emoção". 

Macri tenta a reeleição com a economia do país em dificuldades e popularidade em baixa, ao redor de 30%. A inflação acumulada está em 55% nos últimos 12 meses e a perspectiva é de PIB negativo neste ano, além do aumento da pobreza.

Além disso, Cristina Kirschner surpreendeu ao anunciar que deve ser vice, e não líder da chapa na disputa a presidência contra Macri. Isso enfraqueceu candidatos de terceira via e aumentou a chance de vitória de kirschneristas na disputa, segundo as primeiras pesquisas realizadas.

Direto de Buenos Aires, Sylvia Colombo / Folhapress

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet