Cuiabá, quinta-feira, 27/06/2019
00:13:07
informe o texto

Notícias / Várzea Grande

07/06/2019 às 09:29

Gisa requer informações para apurar omissão e truculência durante “Operação Sossego”

Sem questionar o objeto da operação, Gisa Barros, usou a tribuna para demonstrar a sua indignação com truculência dos policiais e fiscais

Leiagora

Gisa requer informações para apurar omissão e truculência durante “Operação Sossego”

Foto: Assessoria

O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente promoveu encontro com os pré-A vereadora Gisele Aparecida de Barros – Gisa Barros (PSB), usou a tribuna na sessão ordinária para apresentar o requerimento 39/2019, que solicita apuração da acusação de omissão ocorrida durante a “Operação Sossego” deflagrada no último dia 31 de maio.

Coordenada pela Guarda Municipal com apoio operacional da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Polícia Judiciária Civil, Conselho Tutelar e as Secretarias Municipais de Meio Ambiente, Gestão Fazendária e Serviços Públicos, a operação fiscalizou distribuidoras de bebidas, postos de combustíveis, residências e veículos com som alto.

Sem questionar o objeto da operação, Gisa Barros, usou a tribuna para demonstrar a sua indignação com truculência dos policiais e fiscais.

“Não estou aqui justificando um erro, mas na sexta-feira chegaram na distribuidora do meu pai na maior truculência. Até apontaram arma na direção de uma criança, dentro da casa situada no fundo da distribuidora. Eu só não fui presa, porque não vi a situação. Lá foi constatado que não havia alvará, hoje tomamos providências e está sendo retirado o documento.”

A vereadora ainda declara: “Na mesma ocasião, todos os pais de família que estavam lá foram abordados. Inclusive um foi abordado de forma truculenta pela PM, que bateu nele. Não sei dizer o nome do policial, senão eu iria denunciar na Corregedoria”, disse.

Denúncia de omissão e prevaricação - Gisa relatou ter questionado a equipe da Prefeitura Municipal, se os mesmos iriam fiscalizar o campo do Thiu, onde na mesma hora também acontecia um evento sem alvará. Na ocasião, Barros cobrou informações sobre o documento expedido pela Secretaria de Gestão Fazendária e pela Secretaria de Meio Ambiente para a liberação do evento.

“Quero deixar bem claro: não é perseguição, só que o pau que bate em Francisco na Várzea Grande não bate em Chico e ficou comprovado pela omissão e prevaricação dos fiscais. Lá está sendo realizado toda a semana evento de lambadão e de sertanejo. A denúncia foi feita verbalmente aos fiscais da Sema e da Secretaria de Gestão Fazendária. Questionei: vocês serão omissos em não ir lá? O único órgão do município que considerou a possibilidade de fiscalizar o local foi o Conselho Tutelar”, relata.

Barros conta ainda, que o campo do Thiu possui alvará de funcionamento para eventos esportivos. No entanto, ela constatou na Secretaria de Meio Ambiente somente uma licença especial para o dia 24, ou seja, havia liberação somente na semana anterior: “Solicitei o processo dentro da Secretaria de Gestão Fazendária, onde me disseram que seria quebra de sigilo fiscal. Tudo, bem. Então vou enviar minha solicitação para o Ministério Público, que irá cobrar”, destaca.

 
Direto de Várzea Grande, Adriana Assunção, Assessoria

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Qual seu posicionamento em relação a Reforma da Previdência?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet