Cuiabá, terça-feira, 12/11/2019
20:04:54
informe o texto

Notícias / Brasil

07/06/2019 às 10:09

Gerente é condenado a 31 anos pelo assassinato de amante grávida em Saltinho (SP)

Ele matou a amante por não aceitar a gravidez

Leiagora

Gerente é condenado a 31 anos pelo assassinato de amante grávida em Saltinho (SP)

Foto: bandab

Acusado de assassinar a amante por não aceitar a gravidez dela, o gerente de fábrica Cristiano Gilberto Romualdo foi condenado a 31 anos de prisão na noite desta quinta-feira, 6. O crime aconteceu em abril de 2017, em Saltinho, no interior de São Paulo, onde o acusado e a mulher moravam.

O julgamento pelo tribunal do júri foi realizado no plenário da Câmara de Rio das Pedras, cidade vizinha. Familiares da vítima, a designer Denise Stella, consideraram que houve justiça. Os advogados do gerente informaram que vão entrar com recurso.

Conforme o Ministério Público Estadual, Romualdo era chefe da vítima numa confecção da cidade e mantinha um relacionamento extraconjugal com ela. Ao descobrir que a amante estava grávida, ele exigiu que ela fizesse um aborto. A designer estava com 31 anos à época do crime e queria ter o bebê - ela estava grávida de uma menina -, e por isso foi morta.

O corpo, jogado em um canavial, só foi encontrado dois dias depois. Os jurados acataram a tese da acusação, de homicídio quadruplamente qualificado - por motivo torpe, com emprego de meio cruel, sem dar chance de defesa à vítima e pelo feminicídio, praticado em menosprezo à condição de mulher da vítima.

Romualdo também foi acusado pelo aborto, com a morte do feto que Denise levava no ventre. Após a decisão do júri, o juiz Dalton Lacerda Vital Filho fixou a pena por homicídio qualificado em 25 anos e 6 meses de prisão. À condenação, foram somados 4 anos e 8 meses pelo aborto e 1 ano por ocultação do cadáver.

Os advogados de defesa, Willey Sucasas e José de Medeiros, informaram que vão recorrer ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), entre outras razões, pelo teor excessivo e desproporcional da sentença e por supostas nulidades na sessão de julgamento.

Ameaças

Conforme a investigação, Romualdo e Denise mantinham um relacionamento secreto. Ele era casado e gerente da fábrica de roupas onde ela trabalhava, em Saltinho. Segundo a acusação, ao tomar conhecimento da gravidez e de ela ter informado que pretendia ter o filho, o gerente viu o fato como ameaça ao seu casamento e decidiu matá-la.

Na noite do crime, ele pediu que a vítima dirigisse o carro até um local ermo, agrediu-a e a enforcou usando o cinto de segurança. Em seguida, jogou o corpo numa ribanceira, em local de difícil acesso. O carro dela foi abandonado em uma área rural. A investigação descobriu o caso entre os dois e o gerente confessou o crime.
Direto de Sorocaba, José Maria Tomazela/Estadão Conteúdo

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet