Cuiabá, domingo, 16/06/2019
16:51:27
informe o texto

Notícias / Cuiabá

11/06/2019 às 08:39

Servidores do Detran adere à greve nacional contra Reforma da Previdência

A decisão foi tomada no último dia 06 em Assembleia Geral da categoria e a greve foi definida pelo conjunto do movimento dos trabalhadores em todo o Brasil

Luana Valentim

Servidores do Detran adere à greve nacional contra Reforma da Previdência

Foto: Sinetran

O Sindicato dos Servidores do Departamento Estadual de Trânsito do Estado de Mato Grosso (Sinetran) informou, nesta terça-feira (11), que irá aderir à greve nacional na próxima sexta-feira (14), contra a Reforma da Previdência que o Governo Federal quer aprovar no Congresso Nacional, os cortes na Educação e as privatizações.
 
A decisão foi tomada no último dia 06 em Assembleia Geral da categoria. A greve foi definida pelo conjunto do movimento dos trabalhadores em todo o Brasil.
 
“A Reforma da Previdência representa o desmonte da previdência no Brasil e atinge a todos os trabalhadores. Em todas as regiões do país as mais diversas categorias já decidiram que vão paralisar suas atividades. Dia 14 é dia de ir para a rua defendermos a nossa aposentadoria e o conjunto de nossos direitos”, comenta a presidente do Sinetran, Daiane Renner.
 
A Reforma da Previdência do Governo Federal (PEC 06/2019) está tramitando no Congresso Nacional e, conforme o sindicato, isso irá aprofundar o desmonte da seguridade social no país, comprometendo todos os seus pilares previstos na Constituição de 1988, ou seja, a previdência social, a assistência social e a saúde pública.
 
A seguridade social visa garantir direitos básicos aos trabalhadores na velhice, doença ou desemprego. O financiamento é de responsabilidade dos Poderes Públicos e da sociedade. Ou seja, Estado, trabalhadores e empresas privadas devem ser responsáveis por este financiamento tripartite.
 
A categoria destaca que a seguridade social vem sofrendo ataques pelos sucessivos governos: Fernando Henrique Cardoso, Luís Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT), que realizaram reformas que diminuíram o acesso dos trabalhadores a esses direitos. No governo Michel Temer (MDB), além do desmonte dos direitos trabalhistas, também houve a tentativa de fazer uma Reforma da Previdência.
 
Em fevereiro, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) apresentou uma PEC ainda pior que a de Temer. “Com o falso argumento de que há um rombo na previdência pública e uma campanha que envolve toda a grande imprensa, Bolsonaro busca encobrir o interesse do Governo em isentar os patrões, inclusive, aqueles que dão o calote na previdência, através da implementação do regime de capitalização”.
 
A capitalização representa a responsabilização exclusiva do trabalhador no custeio de sua aposentadoria, ou seja, retira a obrigatoriedade da contribuição patronal e estatal, provocando, assim, a drástica redução da aposentadoria, bem como dos recursos destinados à saúde e à assistência social.
 
O que muda com a reforma da previdência?
 
Transferência das descrições dos direitos previdenciários que hoje são estabelecidas pela Constituição Federal para Lei Complementar, facilitando novas retiradas de direitos.
 
Trabalhar até morrer: idade mínima de 65 anos de idade para os homens e 62 para as mulheres e tempo mínimo de 40 anos de contribuição para se aposentar.
 
Redução dos valores da aposentadoria, já que o cálculo não será feito pela média das maiores contribuições.
 
Aumento da alíquota da contribuição previdenciária mensal, passando de imediato de 11% para 14% base, variando de acordo com a faixa salarial.
 
Pensão por morte passará de 100% do subsídio de aposentadoria para 50% acrescidos de 10% por dependente (este perderá a qualidade de dependente quando completar 21 anos, ou 24, se estiver cursando curso superior).
 
Regime de capitalização individual: o trabalhador passa a ser o único responsável pela contribuição, extinguindo a obrigatoriedade da contribuição patronal e do Estado.
 
Instituição de possibilidade de desconto extraordinário para cobertura de futuros déficit nos fundos de Previdência.
 
Prazo de 180 dias a partir da aprovação da PEC para os Estados instituírem o regime complementar de previdência, impondo o teto do regime geral (INSS).
 
Com informações da assessoria
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet