Cuiabá, terça-feira, 20/08/2019
01:13:12
informe o texto

Notícias / Judiciário

12/06/2019 às 15:54

'Grampolândia Pantaneira': Juiz nega arquivamento de ação contra Taques e delegadas

O juiz cita ainda que as delegadas em depoimento declararam que Taques entregou uma lista com nomes de pessoas para serem ‘grampeadas’.

Fernanda Leite

'Grampolândia Pantaneira': Juiz nega arquivamento de ação contra Taques e delegadas

Foto: Assessoria

O Ministério Público Estadual (MPE) pediu arquivamento da ação instaurada contra o ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques e das delegadas da Polícia Civil, Alana Derlene Sousa Cardoso e Alessandra Saturnino de Souza Cozzolino, todos acusados dos crimes de interceptação telefônica e quebra de segredo de Justiça sem autorização judicial.

O esquema dos grampos resultou nas investigações da ‘Grampolândia Pantaneira’, na gestão do ex-governador Pedro Taques (PSDB).

O pedido do promotor de Justiça, Reinaldo Rodrigues de Oliveira Filho, foi negado pelo juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, em um despacho assinado nessa terça-feira (11), onde ele  criticou o pedido do MP. “Se o órgão do Ministério Público, ao invés de apresentar a denúncia, requerer o arquivamento do inquérito policial ou de quaisquer peças de informação, o juiz, no caso de considerar improcedentes as razões invocadas, fará remessa do inquérito ou peças de informação ao procurador-geral, e este oferecerá a denúncia, designará outro órgão do Ministério Público para oferecê-la, ou insistirá no pedido de arquivamento, ao qual só então estará o juiz obrigado a atender”, criticou.

Ainda, “repriso, da peça processual apresentada pelo representante do Ministério Público não se observou a ocorrência ou explanação fato-jurídica de qualquer uma das hipóteses autorizadoras do arquivamento do inquérito policial. Pelo contrário, em breves relatos o Parquet requereu o arquivamento de demanda complexa, com grande repercussão social e com fatos conexos, que necessitam ser apurados sob o crivo do contraditório e da ampla defesa. É o mínimo que a sociedade espera, mesmo que ao final se chegue a uma absolvição”, consta na ação.

O juiz cita ainda que as delegadas em depoimento declararam que Taques entregou uma lista com nomes de pessoas para serem ‘grampeadas’.

"Ao prestar depoimento, a investigada Alessandra Saturnino declarou que Paulo Taques lhe entregou um papel onde constavam três números de telefones e apontou dois como sendo utilizados pela Tatiane e pela Carol e o terceiro número seria do Jornalista Muvuca, sendo que o Paulo Taques disse que Muvuca precisaria ser investigado, pois desconfiava que a Tatiane e a Carol repassavam informações para o Muvuca”, consta.
 
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet