Cuiabá, domingo, 21/07/2019
15:02:41
informe o texto

Notícias / Cidades

17/06/2019 às 16:30

Greve da Educação entra na 4ª semana sem solução; veja vídeo

Para discutir o assunto e buscar uma solução para a greve, uma audiência pública foi realizada nesta segunda-feira (17), na Assembleia Legislativa.

Josiane Dalmagro e Luzia Araújo

Greve da Educação entra na 4ª semana sem solução; veja vídeo

Foto: Leiagora

A paralisação dos profissionais da educação de Mato Grosso entra na sua quarta semana sem acordo com o Governo Estadual. Para discutir o assunto e buscar uma solução para greve, uma audiência pública foi realizada nesta segunda-feira (17), na Assembleia Legislativa do Estado, onde reuniu representantes de diversos segmentos, além dos grevistas. 

O promotor de Cidadania e Defesa da Educação, Miguel Slhessarenko, foi um dos participantes. O representante do Ministério Público Estadual explicou a contribuição do órgão nas negociações com os trabalhadores. 

“A qualidade de ensino em Mato Grosso depende também de profissionais bem remunerados e que tenham valorização profissional. O Ministério Público fez uma recomendação, assim como o Tribunal de Contas do Estado (TCE), para não conceder o reajuste, em razão do limite prudencial estar acima  do permitido na Lei de Responsabilidade Fiscal, mas nada impede que, assim que tiver algum fôlego orçamentário, isso seja novamente rediscutido”. 

Já para o membro da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa e deputado Estadual, Lúdio Cabral, as mais de três semanas de paralisação trazem graves prejuízos à população, professores e as mais de 270 mil famílias que têm filhos nas escolas estaduais.

“Os trabalhadores do Governo não cumpriram com a Lei, aprovada em 2013, que assegurava ao longo de 10 anos os reajustes progressivos nos salários dos professores. Não abriu diálogo para negociação. Pelo contrário, mantém a afirmação de que não irá pagar, cortar ponto e entrar na Justiça, para obrigar o Sindicato do Trabalhadores da Educação (Sintep) a pagar o transporte escolar quando houver a reposição de aulas”, disse o deputado. 

Cabral afirmou que a Comissão procura um ambiente de diálogo para que o Poder Executivo contemple, mesmo que parcialmente, as reivindicações que a categoria apresentou. “O Sintep está esperando uma posição do Governo, para convocar uma assembleia e avaliar a possibilidade de suspender a greve”, afirmou Lúdio.

O presidente do Sintep, Valdeir Pereira, disse que está buscando um diálogo com o Governo e que a paralisação está acontecendo por falta de negociação por parte do Poder Executivo. Pereira disse ainda que o corte de ponto é ilegal e abusivo. 

“Vamos discutir isso no Judiciário, mas já temos a compreensão que é abusivo e ilegal o que o governo fez. Primeiro, porque a greve é para cobrar o cumprimento de uma legislação que está vigente. Agora, o Governo adota uma metodologia com uma série de medidas contra os trabalhadores e não procura o Judiciário para tratar da greve. Estamos tomando as medidas cabíveis e esperamos o reconhecimento imediato. Caso contrário, vamos buscar todas as instâncias, inclusive, organismos internacionais pela forma truculenta que o Governo tem tratado o funcionalismo público”. 

Vídeo Relacionado

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet