Cuiabá, sexta-feira, 15/11/2019
14:25:39
informe o texto

Notícias / Judiciário

18/06/2019 às 10:35

Dodge pede suspensão do escalonamento salarial dos servidores públicos

A procuradora-geral afirmou que a situação econômica não justifica a impontualidade no pagamento salarial dos funcionários públicos.

Maisa Martinelli

Dodge pede suspensão do escalonamento salarial dos servidores públicos

Foto: El País

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), solicitou a suspensão da decisão do Tribunal de Justiça do Mato Grosso (TJMT) de proibir o cancelamento do pagamento dos salários de aposentados e pensionistas estaduais.

Segundo a assessoria da PGR, Dodge atendeu a um pedido de mandado de segurança impetrado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de Mato Grosso (Sindepo) contra o governo estadual, que anunciou, em fevereiro, que faria os pagamentos de forma escalonada.

O Sindicato argumentou que “o pagamento dos proventos de aposentadoria não depende do fluxo normal de arrecadação do estado, pois decorre de arrecadação própria, levada a efeitos de contribuições previdenciárias”.

O Sindepo destaca ainda que o parcelamento dos salários vai contra decreto estadual, que estabelece os pagamentos a aposentados e pensionistas até quinto dia útil do mês.

Por sua vez, a Secretaria de Estado de Fazendo de Mato Grosso alegou um quadro deficitário do fundo de Previdência e grave crise financeira, que, de acordo com a pasta, “impossibilita o pagamento dos proventos de aposentadoria e pensão em sua integralidade”.

A PGR defendeu que “os proventos e as pensões devem ser tratados como verba prioritária no orçamento estadual, já que consistem em verbas de natureza alimentar, indispensável à subsistência do agente público e de sua família”.

Dodge afirmou ainda que a situação econômica não justifica a impontualidade no pagamento salarial dos servidores públicos. Além disso, salientou que não houve pedido de aumento ou acréscimo na remuneração, e sim somente a exigência de que os salários sejam pagos na data certa.

“A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), em conjunto com o art. 169 da Constituição, já estabelece as medidas a serem tomadas em caso de as despesas com pessoal superarem os limites previstos, não estando o inadimplemento das verbas entre essas medidas”, concluiu a procuradora-geral.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet