Cuiabá, quarta-feira, 17/07/2019
10:37:41
informe o texto

Notícias / Judiciário

19/06/2019 às 11:23

Acusados de improbidade administrativa firmam TAC para reparar dano causado ao erário

Será devolvido ao erário o montante de R$50.469,90, referente ao prejuízo causado aos cofres públicos

Leiagora

Acusados de improbidade administrativa firmam TAC para reparar dano causado ao erário

Foto: MPMT

O ex-prefeito do município de Vera (a 458km de Cuiabá), Nilso José Vigolo, o diretor-presidente da Cooperativa de Trabalho Vale do Teles Pires, José Roberto Vieria, e a pessoa jurídica da cooperativa assinaram Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público de Mato Grosso para devolver ao erário, de forma solidária, o montante de R$ 50.469,90. O valor, devidamente atualizado com juros e correção monetária, é referente ao prejuízo causado aos cofres públicos em razão de contratação irregular de prestadores de serviços à administração, objeto de Ação Civil Pública proposta pela Promotoria de Justiça de Vera.

Conforme o TAC, Nilso José Vigolo, José Roberto Vieria e Cooperativa de Trabalho Vale do Teles Pires se comprometeram a pagar cerca de R$ 50 mil, no prazo de até 150 dias da homologação do acordo. O ex-prefeito de Vera pagará R$ 24.852,90 enquanto os demais pagarão R$ 25.617 a título de dano moral coletivo. Os valores serão destinados, respectivamente, para a Associação Clube de Mães Nossa Senhora da Rosa Mística e para o Lar dos Idosos. O acordo já foi encaminhado ao Judiciário para homologação.

“É vedada por lei a transação, acordo ou conciliação nas ações de improbidade administrativa, contudo, neste caso, verifica-se que não se trata de acordo ou transação, mas de Termo de Ajustamento de Conduta, contendo o reconhecimento do pedido. Os  responsáreis pelo ato de improbidade, voluntariamente, concordaram em reparar o dano por eles causados ao erário, não podendo negar a possibilidade de ajuste a esse respeito”, argumentou o promotor de Justiça Willian Oguido Ogama, ao requerer a extinção da ACP com resolução de mérito.

O caso 

Em outubro de 2018 a Promotoria de Justiça de Vera propôs ação civil pública por ato de improbidade contra Nilso, José Roberto e a cooperativa, requerendo a indisponibilidade de parte dos bens que integram o patrimônio dos requeridos de forma a compensar o dano constatado na execução dos contratos realizados entre as demandadas. A cooperativa foi contratada pelo poder público como forma de burlar a contratação por concurso público e, conforme as investigações, foram constatadas irregularidades na prestação dos serviços como ausência de controle das pessoas contratadas e dispensadas e a existência de alguns cooperados em diferentes secretarias ao mesmo tempo.
Da assessoria, Ana Luíza Anache/MPMT

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Qual seu posicionamento em relação a Reforma da Previdência?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet