Cuiabá, terça-feira, 15/10/2019
17:51:50
informe o texto

Notícias / Política

19/06/2019 às 11:58

‘Mendes tem sim condição de replanejar orçamento e fazer proposta para pôr fim à greve’

O deputado disse que quando o governo assumiu, já sabia que existia uma lei vigente e um compromisso com os profissionais da Educação

Luana Valentim

‘Mendes tem sim condição de replanejar orçamento e fazer proposta para pôr fim à greve’

Foto: Reprodução da internet

O deputado estadual, João Batista (Prós), declarou, nesta quarta-feira (19), que o governo está priorizando outras ações e deixando de lado o direito dos servidores públicos da Educação, assim como no caso da Revisão Geral Anual. A declaração foi feita em entrevista à Rádio Capital FM.

João Batista disse que, durante a sessão ordinária dessa terça-feira (19), os representantes classistas e vários profissionais da Educação estiveram presentes acompanhando a sessão e que foi colocado não só pelos deputados, mas por vários participantes que o governo está priorizando outros assuntos.

“O governo apresentou, recentemente, o balanço do primeiro quadrimestre e há uma evolução ainda que pequena, mas significativa em relação ao orçamento do Estado. Eu acredito que tem condição sim de ele sentar e replanejar o seu orçamento e fazer uma proposta para pôr fim a essa greve da Educação”, disse.

Como sindicalista, o parlamentar destacou que os direitos do trabalhador foram conquistados com muita luta e não com uma negociação de apenas uma ‘sentada’ do patrão de um lado e o trabalhador do outro. 

“Tem que haver uma pressão do trabalhador, obviamente, o patrão quer aumentar a sua margem de lucro. Se vai trazer um pouco de benefício para o trabalhador, dificilmente o patrão vai ter essa consciência”, disparou.

João Batista analisou que a Lei 510, da dobra do poder de compra dos profissionais da Educação, não é uma negociação futura, até porque ela já está aprovada desde 2013, mas apenas uma manutenção daquilo que já é direito garantido em uma lei.

“O governo quando assumiu já sabia que existia uma lei vigente, havia um compromisso. Os trabalhadores não conseguiram isso simplesmente porque o governador na época, Silval Barbosa, entendeu que seria necessário fazer justiça, mas sim um resultado de muita luta”, pontuou. 

O deputado avaliou que o governador Mauro Mendes (DEM) se comprometeu em garantir esses direitos, então o mínimo que ele pode fazer é vir a público para falar que acredita na necessidade de priorizar e fazer justiça com os profissionais da Educação, apresentando uma proposta onde, mesmo que parcelado, irá pagar o que está devendo.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Como você acha que está a violência em Mato Grosso neste ano?

Você deve selecionar uma opção
Enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet