Cuiabá, terça-feira, 15/10/2019
04:43:32
informe o texto

Notícias / Política Nacional

19/06/2019 às 12:07

Em audiência no Senado, Moro nega conluio com procurador da Lava Jato

Moro foi à Casa prestar esclarecimentos sobre o vazamento de mensagens que indicam troca de colaborações do ex-juiz com o procurador Deltan Dallagnol

Leiagora

Em audiência no Senado, Moro nega conluio com procurador da Lava Jato

Foto: Reprodução

Em sessão da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, nesta quarta-feira (19), o ministro Sergio Moro (Justiça) negou ter participado de conluio com Ministério Público Federal na Operação Lava Jato.

Moro foi à Casa prestar esclarecimentos sobre o vazamento de mensagens que indicam troca de colaborações do ex-juiz com o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa.

Aos senadores o ministro afirmou ser alvo de um ataque hacker que mira as instituições e que tem como objetivo anular condenações por corrupção.

Até aqui, ele tem insistido no discurso de tachar a invasão de celulares como um movimento contra a Lava Jato e em desqualificar o site The Intercept Brasil, que divulgou os diálogos. "O que posso assegurar é que, na condução dos trabalhos de juiz no âmbito da Operação Lava Jato, sempre agi conforme a lei", disse.

O ministro também informou que entregou seu celular para análise da Polícia Federal, negou que tenha atuado politicamente na Lava Jato e afirmou ser comum que o juiz converse com as partes do processo. "É normal no Brasil esses contatos entre juiz, advogado e Ministério Público ou policiais. O que tem que ser avaliado é o conteúdo destes contatos", afirmou ao responder o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).

Disse ainda que não guarda o arquivo das conversas e que não lembra do que escreveu há três anos, o que o impediria de atestar a sua veracidade. O senador Otto Alencar (PSD-BA) fez uma provocação: "Não exijam muito da memória do ministro. Ele tem péssima memória."

Moro também afirmou que deixou de usar o Telegram, de onde as mensagens foram extraídas, em 2017, quando houve notícias de ataques hackers nas eleições dos Estados Unidos e ele começou a desconfiar da segurança do aplicativo, que tem origem russa.

Segundo o Intercept, as conversas, enviadas à reportagem por fonte anônima, aconteceram entre 2015 e 2018.

 
Direto de São Paulo, FOLHAPRESS

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Como você acha que está a violência em Mato Grosso neste ano?

Você deve selecionar uma opção
Enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet