Cuiabá, quarta-feira, 18/09/2019
17:58:15
informe o texto

Notícias / Judiciário

24/06/2019 às 08:44

Empresa que administrava Samu é indenizada a pagar R$448 mil a sócios

Conforme consta nos autos, os 16 sócios não receberam pelos plantões realizados

Maisa Martinelli

Empresa que administrava Samu é indenizada a pagar R$448 mil a sócios

Foto: SES MT

A Universal Med Assessoria e Gestão em Saúde LTDA-Me, que gerenciava o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência Samu em Mato Grosso, foi indenizada a pagar R$448 mil a 16 sócios que ficaram sem receber depois que o estado rescindiu contrato com a empresa. A determinação é da juíza Sinii Savana Bosse Saboia Ribeiro, da 9ª Vara Cível de Cuiabá.

Nos autos, os sócios alegaram que trabalhavam em regime de plantão de 12h, e recebiam R$950, que eram pagos quando repasses do estado eram feitos à empresa. Além disso, eles afirmaram que a empresa rescindiu o contrato e, por isso, ficaram sem receber pelos plantões realizados em maio, junho e julho de 2018.

“Relatam que sempre recebiam os valores correspondentes aos plantões na medida em que a empresa recebia os repasses do Estado, de acordo com o contrato 068/2016, no entanto, a sócia ostensiva da empresa, surpreendentemente removeu todos os participantes do grupo de WhatsApp, e no mês seguinte o Estado informou a rescisão do contrato supradito, assim, os autores informam que ficaram sem receber os plantões dos meses de maio, junho e julho de 2018”, diz parte dos autos.

Eles informaram ainda que a Universal Med continua recebendo os valores do Governo, porém, mesmo assim, não quita as dívidas.

Não aceitando a ação, a empresa, que teve mais de R$424 mil bloqueados em sua conta bancária, contestou os sócios e afirmou que não pagou o que devia porque não teria recebido repasses do estado. Pontuou também que os sócios devem responder pelos prejuízos da empresa antes da divisão dos lucros, sendo inviável o pagamento direto a eles sem que haja análise da contabilidade.

Todavia, a magistrada não aceitou os argumentos da Universal Med, já que os autores da ação não estão cobrando valor referente ao lucro da empresa, e sim aos trabalhos realizados durante os plantões.

“Sendo o trabalho desenvolvido regularmente pelos médicos conforme planilha (...), não há que se falar em divisão de lucros, e sim em simples pagamento pelo desforço”, destacou a juíza.

 “Conforme já explanado, descabe a alegação de que seria necessária contabilização e divisão de lucros entre os sócios, posto que os autores não buscam a divisão dos lucros, e sim o pagamento pelo trabalho desenvolvido, que de acordo com todo o exposto, não há motivo legítimo para não ser pago, na verdade, o único argumento utilizado pela requerida é referente a pedido diferente, que não é objeto dos autos”, completou.

Diante disso, Sinii determinou que empresa pague o valor de R$448 mil aos sócios. “Ante ao exposto, JULGO PROCEDENTE o pedido da inicial com f ulcro no art. ɫɯɮ, I do CPC, condenando a requerida ao pagamento de R$448.000,00 ſquatrocentos e quarenta e oito mil reais), devendo incidir sobre esse valor juros e correção monetária pelo índice INPC desde a data prevista para pagamento e juros de mora de 1% a.m., a partir da citação.”

Além disso, ordenou também que o estado faça o depósito de R$82.080,00 na conta da empresa.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Você está satisfeito (a) com a gestão do governador Mauro Mendes?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet