Cuiabá, quarta-feira, 17/07/2019
10:31:58
informe o texto

Notícias / Judiciário

26/06/2019 às 07:37

Funcionária dispensada por publicação em rede social é indenizada

A empresa dispensou a funcionária após desprezar os atestados médicos da mulher, por conta de postagens no Facebook

Maisa Martinelli

Funcionária dispensada por publicação em rede social é indenizada

Foto: EDP Online

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MT) reverteu justa causa dada a uma costureira sob a justificativa de que havia excesso de faltas no serviço. A empresa dispensou a funcionária após desprezar os atestados médicos da mulher, por conta de postagens no Facebook.

A sentença foi proferida na Vara do Trabalho de Nova Mutum e mantida pela 1ªTurma do TRT ao julgar recurso apresentado pela empresa, que alegou, em sua defesa, que rescindiu o contrato pelo excesso de faltas da empregada, que caracterizaria desídia, uma das hipóteses de dispensa por justa causa prevista no artigo 482 da CLT.

O empregador afirmou que a funcionária se ausentou do trabalho por diversas vezes sem se justificar, e que o principal motivo de dispensá-la seria quando ela faltou por dois dias no serviço alegando que estaria cuidando da filha doente, porém em vídeos publicados no Facebook a menina aparentava estar saudável e em pleno vigor.

A empregada contestou a afirmação, e explicou que as gravações não tinham sido feitas no mesmo dia da publicação, como poderia ser verificado na legenda do post. A mulher argumentou ainda que apenas imagens, por si só, não são suficientes para determinar o estado de saúde de uma pessoa.

O relator do recurso no Tribunal, desembargador Edson Bueno, ao reanalisar o caso, confirmou o entendimento da sentença, de que o atestado médico goza de fé pública, sendo assim, para desconstitui-lo é necessário se prove a existência de fraude.

De acordo com os autos, dois atestados foram apresentados pela costureira - um em nome da funcionária e outro em nome da filha – assinados por dois médicos distintos, e que não apresentavam nenhum sinal de rasura ou falsidade.

Sendo assim, o desembargador disse que “o fato de estar, aparentemente, saudável em vídeo publicado no Facebook, por si só, não significa que a criança estava em plenas condições de saúde, com destaque para o fato de que a Ré não detém conhecimento para chegar a tal conclusão”.

Em relação às faltas injustificadas anteriormente, o relator pontuou que, como não houve punição no momento apropriado, o fato não poderia legitimar dispensa por justa causa em momento posterior, uma vez que fica presumido perdão tácito.

“Assim, ante a gravidade da punição adotada, entendo que a culpa da Autora pelo ocorrido deveria ter sido demonstrada de forma cabal pela Ré, o que não ocorreu no caso concreto”, destacou.

Desta forma, o relator manteve a decisão de reverter a dispensa por justa causa, determinando o pagamento de verbas rescisórias, além de indenização substitutiva de estabilidade da gestante, já que a costureira estava grávida no momento da dispensa, baseando-se no artigo 496 da CLT, que prevê a estabilidade da mulher desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Qual seu posicionamento em relação a Reforma da Previdência?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet