Cuiabá, sexta-feira, 23/08/2019
22:27:47
informe o texto

Notícias / Mundo

16/07/2019 às 08:37

Ursula Leyen pode se tornar a primeira líder da Comissão Europeia

A ministra alemã se submeterá à votação dos parlamentares europeus

Leiagora

Ursula Leyen pode se tornar a primeira líder da Comissão Europeia

Foto: REUTERS/Yiannis Kourtoglou/File Photo/Direitos Reservados

No início de julho, a ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen, foi a escolhida por líderes europeus para ser a presidente da Comissão Executiva da União Europeia. Na manhã de hoje (16), Ursula apresentou suas propostas na sede do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, França. À tarde, ela se submeterá à votação do Plenário do Parlamento. Se alcançar os votos necessários, ela se tornará a primeira mulher no cargo, no lugar de Jean-Claude Junckerr, atual presdiente da Comissão Europeia (EU).

Ursula von der Leyen necessita de uma maioria absoluta dos votos da câmara, ou seja, deve recolher o “sim” de pelo menos 374 eurodeputados. 

Buscando alcançar os votos necessário, Ursula von der Leyen procurou em seu discurso receber todas as ideias apresentadas pelos deputados, especialmente as propostas relacionadas com a luta em favor do clima, o combate aos regimes autoritários, e também ao protecionismo e a igualdade de gênero, inclusive no Colégio de Comissários da União Euiropeia.

Sobre esta questão, Ursula antecipou que não hesitará em exigir novos nomes (para o colégio),  “caso os Estados-membros não proponham um número suficientes de comissárias”.

Com um elogio à obra dos pais e mães fundadores do projeto da Europa unida, Ursula von der Leyen deixou uma nota de preocupação com o processo do Brexit, manifestando abertura para o alargamento dos prazos de saída do Reino Unido, previsto para 31 de outubro deste ano.

Sublinhando o respeito pela decisão do outro lado da Mancha – “uma decisão séria que lamentamos” – Ursula von der Leyen declarou neste discurso de apresentação do seu projeto aos eurodeputados estar aberta a dilatar os prazos de saída do Reino Unido caso o novo chefe do governo britânico apresente uma razão válida.

A candidata comprometeu-se a tornar o espaço comunitário livre de emissões de carbono até 2050, a finalizar a união monetária e ainda a proteger os cidadãos da UE do próximo choque econômico.

“O nosso desafio mais importante é manter o planeta saudável. É a maior responsabilidade do nosso tempo. Quero que a Europa seja o primeiro continente neutro em carbono em 2050. Para tal, temos de assumir metas mais ambiciosas. O nosso objetivo atual não é suficiente”, afirmou a política alemã, num claro piscar de olhos à bancada dos Verdes, que não esconde a intenção de votar contra a sua candidatura.

 
Direto de Lisboa, RTP, Agência Brasil

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet