Cuiabá, sexta-feira, 14/05/2021
03:22:26
informe o texto

Notícias / Judiciário

22/07/2019 às 15:00

Projeto de Lei prevê fim da prisão especial para pessoas com ensino superior

Além de pôr fim à prisão especial aos diplomados, o texto também prevê a exclusão do benefício dos cidadãos inscritos no Livro do Mérito

Maisa Martinelli

Projeto de Lei prevê fim da prisão especial para pessoas com ensino superior

Foto: Diário Digital

O Projeto de Lei 3945/2019, que prevê o fim de prisão especial para quem possui diploma de ensino superior, está em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). O PL, que altera o Código de Processo Penal (Decreto-lei 3.689/1941), é de autoria do senador Fabiano Contarato (Rede –ES).

Atualmente, a legislação permite prisão especial, em local separado dos presos comuns, em caso em que há prisão decretada antes da condenação definitiva, para pessoas com curso superior. A medida é cabível também a governadores, parlamentares, prefeitos, oficiais militares, dentre outros.

Além de pôr fim à prisão especial aos diplomados, o texto também prevê a exclusão do benefício dos cidadãos inscritos no Livro do Mérito, que homenageia pessoas que tenham notoriamente colaborado para o enriquecimento do patrimônio material ou espiritual do país e merecido o testemunho público do seu reconhecimento.

Contarato considera que boa parte da legislação penal e processual penal acaba por criminalizar a parcela marginalizada da sociedade, fazendo com que os pobres fiquem cada vez mais miseráveis, e a classe alta fique mais rica ainda.

“Conceder esse privilégio pelo simples fato de se ter um diploma de nível superior é dizer à maior parcela da população brasileira, constituída de analfabetos, pessoas que estudaram até o ensino fundamental ou até o nível médio, que são inferiores à camada privilegiada da sociedade que teve acesso ao ensino superior”, argumentou o senador.

Ele pontuou ainda que a prisão especial não tem nenhum embasamento jurídico, científico ou técnico, e que a gravidade do crime não possui relação com a escolaridade do indivíduo.

“A título de exemplo, há pessoas com nível fundamental que cometem furtos (crimes praticados sem violência ou grave ameaça) e indivíduos com nível superior que cometem roubos cinematográficos (crimes praticados com violência ou grave ameaça). Há analfabetos que respondem por um soco (lesão corporal) e há PhDs [pessoas com doutorado acadêmico)]que respondem por mortes brutais (homicídios qualificados)”, finalizou Contarato.
Com informações da Agência Senado

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet