Cuiabá, sábado, 05/12/2020
17:28:24
informe o texto

Notícias / Judiciário

07/08/2019 às 17:15

MPE instaura inquérito para investigar Paulo Taques e delegadas envolvidas na Grampolândia Pantaneira

Os acusados serão investigados por suposta prática de improbidade administrativa

Maisa Martinelli

MPE instaura inquérito para investigar Paulo Taques e delegadas envolvidas  na Grampolândia Pantaneira

Foto: Governo de Mato Grosso

O promotor de Justiça, Reinaldo Rodrigues de Oliveira Filho, instaurou inquérito civil para investigar o ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques, e as delegadas Alessandra Saturnino de Souza Cozzolino e Alana Darlene de Sousa Cardoso, por suposta prática de improbidade administrativa, referente ao caso da Grampolândia Pantaneira.

Saiba mais: PGJ arquiva inquérito contra delegadas que colaboraram na Grampolândia

O promotor cita, no documento, que os acusados teriam cometidos atos descritos nos artigos 10 e 11 da Lei 8.429/9, que dispõem, respectivamente, sobre qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial e sobre enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na administração pública.

Consta nos autos, que Paulo Taques cometeu crime de falso testemunho, tendo sido feito o “aditamento da referida denúncia pelo Procurador-Geral de Justiça na data de 15 de julho do corrente ano, vislumbrando que Paulo Zamar Taques também cometeu, o crime previsto no art. 10 da Lei 9.296/96, quando exercia a função de Secretário Estadual da Casa Civil”.

“Considerando que os fatos relatados caracterizam, em tese, a prática de atos de improbidade administrativa que atentaram contra os princípios da administração pública e dano ao erário público, a teor do disposto nos artigos 10º e 11º da Lei n.8.429/92”, diz parte da Portaria.

Por fim, analisando os fatos, o promotor de Justiça determinou a instauração do inquérito.

“Para apurar supostos atos de improbidade administrativa, consistentes em violação dos princípios da administração pública e dano ao erário, por parte dos servidores públicos pertencentes à segurança pública”, finalizou.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet