Cuiabá, domingo, 12/07/2020
03:27:37
informe o texto

Notícias / Geral

09/08/2019 às 11:30

Rosa Mayate, da etnia Bakairi faz palestra na escola Mauro Weis

Da qual foi tirado o grande questionamento – “Que lugar os indígenas e negros ocupam no seu imaginário?”

Leiagora

Rosa Mayate, da etnia Bakairi faz palestra na escola Mauro Weis

Foto: Assessoria

Como parte do projeto “Pérola negra – Quebrando Paradigmas”, a indígena da etnia Bakairi, Rosa Mayate, fez uma palestra na Escola Municipal Mauro Weis, conversou com os alunos e respondeu inúmeras perguntas sobre o seu povo. Ela se apresentou aos alunos, destacando a sua história de vida, dos seus pais - o pai indígena, a mãe negra - a sua formação profissional entre outros aspectos e a sua etnia bakairi (aldeia, costumes, etc.). Após a apresentação, os alunos fizeram perguntas referentes aos alimentos consumidos na aldeia, a importância da pesca, dos rituais sagrados, das danças, da língua materna, sobre o território indígena e sua importância para manutenção e preservação do povo, todos os índios tem cabelos lisos, sobre a infância e adolescência, etc.

Rosa iniciou dizendo que ia apresentar a visão dos indígenas bakairi, a diversidade das etnias no Brasil, com línguas maternas, costumes, culturas diferentes e que todos são brasileiros, os primeiros, os povos originários da terra.  Reiterou que “minha etnia é específica e não da totalidade”, e explicou o por quê se considera  indígena, a importância dos povos indígenas na construção do país,  os contextos de moradias dos indígenas, dos aldeados aos que residem no contexto urbano, a importância da língua materna, costumes  e, como a cultura é vital na preservação e manutenção da identidade de seu povo. 

É perceptível, segundo Rosa Mayate, que se conhece pouco a realidade e diversidade cultural, étnicas, e por isso inúmeros grupos são inviabilizados por um discurso único que é apresentado na escola, nos livros didáticos, na literatura, na mídia, na propaganda e que esse processo ideológico de democracia racial, miscigenação brasileira anestesiou o debate sobre o apagamento de muitos afro-brasileiros e indígenas da história oficial do país. Ela é enfática ao cobrar – “precisamos ouvir novas narrativas que contemplem os indígenas e negros, ressignificar o currículo escolar, descolonizando os saberes e construindo uma proposta educacional mais justa, igualitária, democrática que inclua a diversidade étnica da população brasileira não apenas simbolicamente, mas de fato e de direito. 

O projeto “Perola Negra – Quebrando Paradigma”está sob a responsabilidade das professoras Josileide Marla Medeiros e kelcia Patrícia Batemarque. A escola é dirigida pela professora Telma Sônia de Souza e a coordenação é de Marcelo Souza, Jackelliny Castelhano e Sandra Peres.

 
Direto de Primavera do Leste, Assessoria

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet