Cuiabá, sexta-feira, 10/07/2020
12:48:07
informe o texto

Notícias / Geral

14/08/2019 às 16:41

Leilão do complexo do Anhembi não encontra interessados e fracassa em SP

A administração Covas pretendia fixar um valor mínimo de R$ 1 bilhão

Leiagora

Leilão do complexo do Anhembi não encontra interessados e fracassa em SP

Foto: Folhapress / UOL

O leilão para privatização do complexo do Anhembi fracassou. Nenhuma empresa apresentou proposta para a Prefeitura de São Paulo nesta quarta-feira (14), como previa o edital.

A gestão Bruno Covas (PSDB) já trabalhava com a possibilidade de não aparecerem interessados por conta do valor mínimo de R$ 1,45 bilhão estabelecido pelo Tribunal de Contas do Município. O leilão estava marcado para sexta-feira (16).

Com base em laudos encomendados pela prefeitura, a administração Covas pretendia fixar um valor mínimo de R$ 1 bilhão, mas o valor foi considerado muito baixo pelo tribunal de contas após relatório elaborado pelo conselheiro Domingos Dissei.

Em entrevista à Folha no começo de julho, o secretário de Governo, Mauro Ricardo, já dizia que o valor inviabilizava a venda, mas que levaria o processo até o fim para provar que o tribunal de contas estava errado.

Diante do fracasso, a prefeitura irá pedir ao TCM a reconsideração do valor mínimo determinado, na tentativa de aproximá-lo a R$ 1 bilhão. O cálculo da prefeitura foi feito com base em seis avaliações distintas, apresentadas por três empresas diferentes, sendo uma delas pública e não vinculada ao município.

O processo de privatização prevê não somente a venda do complexo do Anhembi, mas também a alienação da participação societária da prefeitura na SPTuris, empresa municipal que administra o complexo e que é responsável pela organização do turismo e de eventos na cidade.

O relatório do conselheiro Dissei se baseou em estudo do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-SP), embora tenha acrescido R$ 50 milhões ao estipulado pela entidade.

"Tenho convicção de que é um valor justo, considerando o interesse público e a efetiva busca do resultado mais efetivo para a administração", escreveu Dissei à época.

Inaugurado em 1970 com a realização do Salão do Automóvel, o complexo do Anhembi tem 376 mil metros quadrados e é formado por sambódromo, Pavilhão de Exposições e Palácio de Convenções.

No começo do ano, durante o Carnaval, o prefeito Bruno Covas (PSDB) declarou que a privatização renderia R$ 3 bilhões à prefeitura ao longo de 15 anos, considerando o valor de R$ 1 bilhão da alienação e o que deixaria de ser investido em obras e manutenção.

Direto de São Paulo, Rogério Gentile e Guilherme Seto / Folhapress

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet