Cuiabá, quarta-feira, 18/09/2019
01:03:31
informe o texto

Notícias / Judiciário

20/08/2019 às 17:23

Hospital São Mateus é condenado a pagar R$30 mil a paciente que sofreu AVC

Além de ter que pagar R$30 mil pela demora no atendimento de um paciente com sintomas de AVC, terá que pagar também R$1 mil por danos materiais.

Maisa Martinelli

Hospital São Mateus é condenado a pagar R$30 mil a paciente que sofreu AVC

Foto: Reprodução internet

A juíza Sinii Savana Bosse Saboia Ribeiro, da 9ª Vara Cível de Cuiabá, condenou o Hospital São Mateus R$30 mil a título de danos morais, pela demora no atendimento de um paciente com sintomas de AVC (Acidente Vascular Cerebral).Além disso, a unidade hospitalar terá que indenizar também por danos materiais, no valor de R$1 mil. 

Consta nos autos, que o paciente, após ser submetido por uma cirurgia bariátrica, começou a apresentar alguns sintomas, como não conseguir se movimentar direito e dificuldades de mover os membros do lado direito do corpo.

Então, a mãe do paciente comunicou o estado de saúde dele às enfermeiras, que justificaram que os sintomas eram em decorrência da reação da anestesia.

De acordo com a ação, mesmo passando mal, ele só foi atendido na tarde do dia seguinte, quando um outro médico o diagnosticou com AVC. Ele sofreu sequelas por conta doença, perdendo a coordenação motora do braço direito e teve diminuição na função da perna direita.

Em sua defesa, o Hospital São Mateus argumentou não ser o responsável pelo ocorrido, não havendo nenhuma omissão no atendimento ao paciente.

No entanto, ao analisar os fatos, a juíza entendeu que o laudo pericial que comprova que o um paciente está com AVC deve ser atendido imediatamente, a fim de evitar eventuais sequelas.

“Assim, é imprescindível que após a suspeita de qualquer dos sintomas seja iniciado o tratamento adequado”, destacou a magistrada.

“Assim, a tese do autor de que passou a noite com os sintomas e sem qualquer amparo merece guarida, pois, causa espanto que a mãe do autor tenha no dia anterior informado os sintomas e o paciente somente fora atendido quase 13 (treze) horas depois, nesse interim, cabia aos prepostos da ré ao menos averiguar a situação relatada pela mãe do requerente, ainda mais que o paciente já se encontrava internado e sob os cuidados dos profissionais da medicina do hospital demandado”,acrescentou Sinii.

Assim, a magistrada concluiu que houve falha grave no atendimento ao paciente, visto que poderia ter reduzido as sequelas “se o corpo de enfermagem tivesse dado a devida importância às queixas dos familiares e chamando a equipe de neurologia que se encontrava de plantão, independentemente do pré-aviso ao médico assistente”.

A juíza salientou ainda que houve nexo de causalidade, entre a omissão do diagnóstico do AVC isquêmico e o resultado danoso, já que o tempo de intervenção é causa determinante para a evolução favorável do quadro nesses casos.

“Não há dúvidas de que o fato atingiu o patrimônio imaterial do autor, sendo inconteste o abalo moral sofrido em razão da falha do atendimento médico-hospitalar, do qual resultou sequelas permanentes, as quais, acaso tivesse recebido o adequado diagnóstico e tratamento a tempo, poderiam ter sido evitadas ou levado a um desfecho menos danoso à integridade físico/psíquica do paciente”, completou a juíza na decisão.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Você está satisfeito (a) com a gestão do governador Mauro Mendes?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet