Cuiabá, segunda-feira, 16/09/2019
22:43:02
informe o texto

Notícias / Judiciário

09/09/2019 às 07:55

Coronel é preso por tentar atrapalhar investigações de operação

Mesmo após ser deflagrada a operação, Paccola continuou cometendo crimes para atrapalhar o andamento do processo

Luana Valentim

Coronel é preso por tentar atrapalhar investigações de operação

Foto: Reprodução da internet

O tenente-coronel da Polícia Militar, Marcos Eduardo Paccola, foi preso no início da noite desse domingo (08), em sua residência, no condomínio Alphaville, pelo Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado. Paccola havia conseguido ficar em liberdade na deflagração da Operação Coverage no último dia 21 de agosto. 

Segundo informações, ele é acusado de ter voltado a fraudar registros de armas da PM, promovendo alterações no histórico da arma de fogo de número de série B27551 e número Sigma 896367, vinculada ao boletim reservado 287, em favor do grupo criminoso.

 “Imprescindível ressaltar que o acesso ao sistema SIRGAF da PMMT ocorreu após a deflagração da Operação Coverage realizada na manhã do dia 21/09/2019, fato este que causa muito espanto e que demonstra de maneira irrefutável que a organização criminosa ora desvelada continua operando mesmo com a atuação deste r.Juízo e Ministério Público Estadual”, pontuaram os promotores de Justiça.

Acontece que informações sobre a operação vazaram antes de ela ser deflagrada e, com isso, o seu advogado se antecipou pedindo o habeas corpus, onde o desembargador do Tribunal de Justiça acabou concedendo a ele o salvo conduto. Todavia, o juiz João Bosco Soares da Silva ressaltou, na decisão que determinou a prisão preventiva de Paccola, que mesmo em liberdade, o coronel “continuou a realizar atos ilícitos de obstrução da justiça”, de acordo com informações da Corregedoria-Geral da Polícia Militar.

A operação deflagrada pelo Gaeco teve o objetivo de cumprir quatro mandados de prisão contra oficiais da Polícia Militar que estariam envolvidos em um esquema de adulteração e venda ilegal de armas do Comando Geral da Polícia Militar.

São alvos da operação o tenente-coronel PM Sada Ribeiro Parreira, tenente-coronel Marcos Eduardo Paccola, tenente Thiago Satiro Albino e o tenente Cleber de Souza Ferreira.

Cleber já está preso por facilitar a entrada de 84 celulares dentro da Penitenciária Central do Estado. Os aparelhos foram encontrados dentro de um freezer. Ele também é investigado na operação Mercenários, que era um grupo que matava pessoas por encomendas.

O sargento da PM Berison Costa e Silva foi preso pelo Gaeco no dia 23 de agosto, suspeito de envolvimento em fraudes de documentos e sistemas de informações, para acobertar integrantes de um grupo de extermínio. Ele teria adulterado a pistola tipo Glock, 9 mm que pertence a Cleber, com a sua senha.

E, de acordo com a investigação realizada pela Promotoria Militar com o apoio do Gaeco, a partir de provas compartilhas pela Polícia Civil, devidamente autorizada pelo Poder Judiciário, um exame balístico comprovou que a pistola foi utilizada em sete crimes de homicídio (quatro tentados e três consumados), praticados pelo grupo de extermínio.

Ainda apontou que, com a finalidade de obstruir as investigações relacionadas aos referidos homicídios, os militares articularam a alteração do registro da arma de fogo, mediante falsificação documental e inserção de dados falsos em sistema da Polícia Militar, tudo para ocultar que na data dos sete crimes de homicídios, a pistola já estava em poder do tenente Cleber.

Em nota, a assessoria da PM informou que a Corregedoria da Polícia Militar tomou conhecimento da prisão do tenente-coronel Marcos Eduardo Ticianel Paccola, efetuada pelo Gaeco, no domingo (08.09). Tão logo ficou sabendo designou um oficial superior para acompanhar os procedimentos, como determinada as normas, e agora está reunindo a documentação relativa a essa prisão para juntar em inquérito já instaurado pela Corregedoria.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Você está satisfeito (a) com a gestão do governador Mauro Mendes?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet