Cuiabá, sábado, 19/10/2019
06:14:29
informe o texto

Notícias / Política

22/09/2019 às 12:00

Campos descarta perseguição e diz que cassação de Selma iniciou antes das eleições

O ex-governador pontuou que a falta de experiencia politica da senadora culminaram no processo de cassação

Luana Valentim

Campos descarta perseguição e diz que cassação de Selma iniciou antes das eleições

Foto: Divulgação

O ex-governador Júlio Campos, um dos caciques do Democratas, afirmou nesta sexta-feira (20) não acreditar que a cassação da senadora Selma Arruda (Podemos) tenha envolvimento com a sua assinatura para a abertura da CPI da Lava Toga ou pela exigência de passar o Brasil a limpo. Mas sim fruto dos erros da e da própria gestão dela.

Por unanimidade, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) votou pela cassação da senadora que recorreu junto ao Tribunal Superior Eleitoral. A Procuradoria-Geral da República deu, recentemente, um parecer favorável à sua cassação e sugeriu que se faça novas eleições. Agora, falta a decisão do pleno do TSE para saber quais serão os novos caminhos a serem seguidos.

“Lamentavelmente, acho que por ser juíza e não ter nenhuma vinculação política partidária, nem experiência de uma campanha eleitoral, ela cometeu erros gravíssimos”, destacou em entrevista à Rádio Capital FM.

O democrata pontuou que se fosse melhor assessorada, a senadora não teria cometido esses erros, afirmando que o processo de cassação dela começou antes da eleição quando o seu adversário à época, Sebastião Carlos (Rede), entrou com uma ação a denunciando por abuso de poder econômico e caixa 2 após o publicitário Junior Brasa cobrar uma dívida no valor de R$ 700 mil.

Para Júlio, a senadora nunca deveria ter feito uma demanda com Brasa que foi o principal causador desse processo haja vista que, até então, ninguém sabia desse problema. Mas no momento que ele levou a justiça a execução de dívida comercial, veio o processo que depois foi assumido com mais força pelo ex-vice-governador Carlos Favaro (PSD).

“Acho que a defesa dela junto ao TRE não foi tão bem preparada como deveria, não teve muita justificativa. Ela fez quase 700 mil votos e era uma força renovadora que teve comportamento excepcional como juíza, mas agora a sua situação é um pouco difícil perante o TSE já que foi unanimidade aqui”, frisou.

O ex-governador ressaltou que a procuradora-geral da República Raquel Dodge não esperou nem terminar o seu mandato para praticamente decretar um parecer favorável a cassação antes de sair.

Júlio esclareceu que o DEM não participou um minuto sequer da cassação da senadora, até pelo fato de seu irmão, o senador Jayme Campos, se dar muito bem com ela e a primeira vez que o governador Mauro Mendes precisou do apoio dela na aprovação do empréstimo externo, Selma ajudou a viabilizar a aprovação rápida dos U$ 250 milhões. ‘’Então não temos nada a ver com esse processo”.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Como você acha que está a violência em Mato Grosso neste ano?

Você deve selecionar uma opção
Enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet