Cuiabá, segunda-feira, 27/01/2020
03:07:27
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

29/09/2019 às 09:09

Programa do Ministério da Agricultura busca o controle da ocorrência de raiva dos herbívoros

Existem três espécies de morcegos hematófagos no Brasil e todos podem transmitir a raiva

Leiagora

Programa do Ministério da Agricultura busca o controle da ocorrência de raiva dos herbívoros

Foto: Reprodução

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está buscando reduzir a incidência da raiva nos herbívoros, integrado ao esforço internacional, que culmina neste sábado, 28, com o Dia Mundial de Luta contra a Raiva. A data foi escolhida em homenagem a Louis Pasteur, que produziu a primeira vacina contra a raiva, e tem como finalidade conscientizar sobre as consequências da raiva humana e animal e explicar a maneira de preveni-la.

“A raiva é considerada uma das enfermidades de maior importância em saúde pública, não só por sua alta letalidade, mas também por seu elevado custo econômico e social", diz a chefe da Divisão de Ruminantes do Mapa, Ellen Laurindo. Segundo ela, a doença é causada por um vírus que infecta animais domésticos e selvagens e nos herbívoros domésticos a principal forma de transmissão é através da saliva de morcegos hematófagos infectados da espécie Desmodus rotundus (hospedeiro do vírus), quando eles mordem estes animais.

Desde 1966, o Mapa instituiu o Plano de Combate à Raiva dos Herbívoros, que atualmente se denomina Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), executado pelo Departamento de Saúde Animal (DSA). O PNCRH tem suas ações visando o efetivo controle da ocorrência da Raiva dos Herbívoros no Brasil. Esse objetivo é alcançado por meio da vacinação estratégica de espécies suscetíveis (bois, vacas, suínos, ovinos e equinos) e do controle populacional de seu principal transmissor, o morcego Desmodus rotundus.

O Ministério da Agricultura lançou uma nova página sobre o Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), para mostrar a necessidade de controle da doença. 

Vacina

A vacina é eficiente, de baixo custo, e recomenda-se a aplicação no gado anualmente, de forma estratégica. O Ministério determina que os produtores notifiquem, aos órgãos estaduais de defesa sanitária animal, a existência de animais com sinais clínicos característicos da raiva (salivação excessiva, paralisia, animais caídos, tremores, entre outros) e animais com marcas de agressões (mordidas) de morcegos hematófagos.

Existem três espécies de morcegos hematófagos no Brasil e todos podem transmitir a raiva. Estes animais são encontrados na maior parte da América Latina.

Em 2018, em todas as regiões do país, foram registrados 1.063 casos de raiva nas seguintes espécies: bovinos, bubalinos, cães caprinos, equinos, morcegos, gatos, ovinos e suínos.

 
Direto da redação, Mapa

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet