Cuiabá, terça-feira, 15/10/2019
02:49:25
informe o texto

Notícias / Judiciário

08/10/2019 às 15:12

Sérgio Ricardo negociou vaga no TCE por R$ 11 milhões, diz Riva

José Riva teria negociado pagamento de propina e compra de vaga do conselheiro no órgão.

Maisa Martinelli

Sérgio Ricardo negociou vaga no TCE por R$ 11 milhões, diz Riva

Foto: Reprodução internet

O ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), José Riva, afirmou, em suposta proposta de delação premiada, que teria negociado pagamento de propina e compra de vaga do conselheiro Sérgio Ricardo no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).

Consta do documento que em 2009 houve uma negociação entre o então deputado Sérgio Ricardo e o então conselheiro Alencar Soares Filho para que o parlamentar assumisse sua vaga. “Nesse sentido, as primeiras tratativas findaram pelo compromisso da compra da vaga no TCE por R$12.000.000,00 (doze milhões de reais), sendo que R$2.500.00,00 (dois milhões e quinhentos mil reais) foram repassados de imediato via o Sr. Edemar Nestor Adams ao Sr. Alencar Soares Filho a partir dos valores ilícitos obtidos pelas empresas do Grupo Nassarden investigadas na Operação Imperador”, diz parte do documento.

De acordo com a proposta de delação premiada, houve a tentativa do então governador Blairo Maggi em colocar Éder Moraes na vaga de conselheiro do TCE-MT, sendo realizada uma reunião entre eles e Riva, para viabilizar o acordo. Todavia, segundo o ex-deputado, Éder não poderia assumir a vaga, já que, mesmo se Sérgio Ricardo desistisse do acordo, outros parlamentares já tinham manifestado interesse em ficar com a vaga.

Transcorridos dois anos, Sérgio Ricardo e Riva formalizaram nova reunião a fim de concretizar o plano, que já atingia o valor de R$11.000.000,00, sendo que R$$6.000.000,00 seriam pagos por Sérgio e R$5.000.000,00 seriam quitados pela ALMT em parceria com Riva.

“No 1º pagamento, o Sr. Sergio Ricardo de Almeida disponibilizou R$3.000.000,00 (três milhões de reais), em espécie, entregues ao Sr. Alencar Soares em sua residência, na presença do Colaborador. Frise-se que esses valores tiveram origem nos desvios de recursos da ALMT através das empresas Comercial Amazônia de Petróleo, Capital Comércio e Representação de Móveis e Informática, e Uni Soluções em T.I., sendo que foram pagos a essas empresas, no segundo semestre de 2010 (Doc. n. XX), os valores aproximados de R$4.000.000 à Capital Comércio e Representações, R$6.700.000,00 a Comercial Amazônia de Petróleo e R$6.000.000,00 à Uni Soluções em TI.29***”, diz o documento.

Desses valores, segundo Riva, Sérgio Ricardo receberia propina oriunda dessas empresas, para realizar o pagamento da vaga no órgão.

Sérgio Ricardo já é investigado pela compra da cadeira no Tribunal de Contas na Operação Ararath e está afastado do cargo desde janeiro de 2017. A situação dele foi agravada após delação do ex-governador Silval Barbosa (MDB) que revelou o pagamento de propina a membros da Corte de Contas resultando no afastamento de seis conselheiros. O ex-deputado já teve vários recursos negados para retornar ao cargo. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Como você acha que está a violência em Mato Grosso neste ano?

Você deve selecionar uma opção
Enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet