Cuiabá, terça-feira, 15/10/2019
02:55:44
informe o texto

Notícias / Política

08/10/2019 às 19:24

'Proposta de delação é fake news e não existe mensalinho na AL', diz Botelho

A suposta proposta de delação aponta que 38 parlamentares recebiam mensalinho desde 1995

Fernanda Leite

'Proposta de delação é fake news e não existe mensalinho na AL', diz Botelho

Foto: Assessoria

Para o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Eduardo Botelho (DEM), a suposta proposta de delação premiada do ex-presidente da José Riva, se trata de uma ‘fake news’ e ‘não existe mensalinho no Legislativo’.

Leia mais: Deputados receberam milhões e apartamentos de luxo

No documento, a possível colaboração premiada realizada no Ministério Público (MP) aponta como funcionou o pagamento de propina mensal aos deputados estaduais e apresentou diversas provas. Além disso, o ex-parlamentar contou como funcionou o esquema para angariar votos para a eleição da Mesa Diretora.   A partir de 1995 até o ano de 2015, foram quase R$ 40 milhões distribuídos em dinheiro e apartamentos para compra de votos de diversos parlamentares.

“Vamos aguardar para ver a autenticidade do documento. Falei com uns membros do Ministério Público  para saber sobre a veracidade deste documento e com o deputado Riva e  se trata de uma fake news.   O documento não está assinado, estamos vivendo numa onda de fakes então temos que ter cautela. Nunca existiu mensalinho desde 2015, quando eu cheguei na Casa, se tivesse já tinha vazado, um segredo assim não é mantido. O próprio Riva me disse que esse documento não procede” contou o democrata nesta terça-feira (8).

Indagado se as notícias quanto as supostas declarações do ex-parlamentar iria manchar a imagem do parlamento, Botelho alega que a instituição é maior do que qualquer escândalo.

“Estamos na hipótese de que não seja real.  Mas a Assembleia é maior do que tudo isso,  as pessoas são arranhadas, mas a instituição não. Todas as pessoas sairão um dia daqui e a casa permanece”, concluiu.

A delação é direcionada  à procuradora de Justiça Ana Cristina Bardusco, chefe do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Garco), com data do dia 27 de março deste ano.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Como você acha que está a violência em Mato Grosso neste ano?

Você deve selecionar uma opção
Enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet