Cuiabá, terça-feira, 15/10/2019
02:14:34
informe o texto

Notícias / Polícia

09/10/2019 às 15:07

Gallo diz que esquema de organização que sonegou mais de R$ 300 milhões era ‘tosco’

O esquema emitiu R$ 337.337.930,11 milhões em notas frias, gerando um prejuízo alarmante ao Estado.

Luzia Araújo

Gallo diz que esquema de organização que sonegou mais de R$ 300 milhões era ‘tosco’

Foto: Reprodução

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, classificou o planejamento tributário elaborado pelas três empresas alvo da Operação Fake Paper como “tosco”. O objetivo era sonegar impostos por meio de notas ficais falsas.  

A ação policial foi deflagrada nesta quarta-feira (09) pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz) em conjunto com Secretaria de Estado de fazenda (Sefaz) para desarticular uma organização criminosa que através de falsificação de documento público promovia a abertura de empresas de fachada, visando disponibilizar notas fiscais frias para utilização de produtores rurais e empresas nos crimes de sonegação fiscal.


Leia mais: Polícia Civil e Sefaz deflagram operação de combate a crimes tributários
Empresas alvo de operação emitiram mais de R$337 milhões em notas frias
Gallo diz que esquema de organização que sonegou mais de R$ 300 milhões era ‘tosco’


O esquema emitiu R$ 337.337.930,11 milhões em notas frias, gerando um prejuízo alarmante ao Estado. Na operação nove pessoas foram presas, sendo três em Cuiabá, além de diversos materiais apreendidos que irão colaborar com a continuação das investigações. Entre os presos está um advogado e contador que atuava na capital e era líder da organização criminosa. 

O gestor explicou que a fraude foi identificada por meio de um trabalho realizado pela Secretaria, que gerencia os índices de participação dos municípios, que recebe 25% do ICMS.

 “A Sefaz verifica o comportamento dessas operações que ocorrem em cada município em todos os anos para fixar o valor adicionado e, obviamente, ter o índice de participação de cada um deles. Foi verificado que essas três empresas movimentavam volumes financeiros e de produtos que não tinham co-relação com as entradas de mercadorias no estabelecimento. Então, isso gerou um relatório de inteligência, que foi compartilhado com a delegacia. Um dos produtores rurais acabou vindo à Defaz e confessou o esquema. A partir daí desencadeou toda a investigação”, disse. 

Gallo ressaltou que a operação também teve o objetivo de desarticular um esquema de sonegação do Fethab, além do insumo de mercadorias. “As fraudes são variadas, mas é um planejamento tributário tosco por parte de alguns produtores rurais, contadores e advogado”, completou. 

O secretário alertou ainda que os contribuintes devem estar atentos, pois fraudes como a que era realizada pela organização criminosa serão descobertas e poderão levar a prisão. 

“Estamos atentos a esse tipo de planejamento tributário. O setor de inteligência da Secretaria, com as informações que dispomos atualmente, consegue acompanhar o comportamento dos contribuintes como tempo resposta muito rápido. Eles devem estar atentos, pois fraudes como essas serão descobertas e poderão levar a prisão”, disse. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Como você acha que está a violência em Mato Grosso neste ano?

Você deve selecionar uma opção
Enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet