Cuiabá, domingo, 17/11/2019
14:37:59
informe o texto

Notícias / Geral

17/10/2019 às 17:31

'Não morri por sorte', diz Shanna ao sair da Delegacia de Homicídios

Shanna foi baleada após desembarcar do carro, um BMW blindado, em frente a um centro comercial no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste.

Leiagora

'Não morri por sorte', diz Shanna ao sair da Delegacia de Homicídios

Foto: Rafael Nascimento de Souza

Depois de quatro horas e meia prestando depoimento na Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, Shanna Garcia, filha do contraventor Waldomiro Paes Garcia, o Maninho, deixou a especializada por volta das 15h57. Acompanhada da advogada Daniela Dias, Shanna foi ouvida pelo delegado Daniel Rosa, titular da DHC. O promotor Lúcio Pereira, do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), também acompanhou o depoimento.

Na saída, a filha de Maninho disse que não morreu "por sorte" no atentado que sofreu no último dia 8:

— Foi bom, fui muito bem recebida, aquela matéria em que falei que desconfiava da DH, é porque tenho fatos, não generalizei, hoje eu fui muito bem recebida, me passaram muita confiança. Eu só espero agora que o poder público tome as atitudes que precisam tomar. A minha vida está em risco, eu não morri por sorte. Agora é esperar, eu vou me cuidar e ver o que o poder público vai fazer por mim. Ele (delegado) perguntou (sobre os outros crimes ocorridos na família) sobre meu irmão, do meu pai, meu ex-marido, tudo foi questionado, tirei algumas dúvidas e falei o que eu sei.

Shanna falou sobre a possibilidade de sair da cidade.

— Não sei, porque tem meus filhos no colégio, tem o meu marido. Tenho que me cuidar e ver sobre a minha segurança, eu não sei se as pessoas que fizeram isso são capazes de voltar para terminar o serviço.

'Quase toda a polícia do Rio é corrompida'

Em uma entrevista ao EXTRA, publicada na última segunda-feira, Shanna acusou a DH de ter policiais "vendidos".

— Tem exceções, claro, mas eu diria que quase toda a polícia do Rio é corrompida. Por isso, não resolve os casos. Um exemplo: no inquérito do meu irmão (Myro), morto em 2017, só fui prestar depoimento esse ano. Falei muita coisa e meu relato foi para dentro da gaveta. Não queria falar na DH novamente em vão. Vou chegar lá e falar várias coisas para um monte de gente que é vendida? Não confio — afirmou a filha de Maninho.

O delegado Daniel Rosa, titular da DH, falou que a especializada tem investigações em andamento sobre mortes ligadas à contravenção:

— Nós temos investigações em curso de homicídios consumados aqui no Rio de Janeiro, que possam estar ligados com essa guerra da contravenção, que alguns já foram solucionados, e outros se encontram em andamento. Todos amplamente investigados.

Nesta sexta-feira, deve ocorrer o depoimento de Bernardo Bello, ex-cunhado de Shanna e acusado por ela de ser o mandante do atentado.

O atentado

Shanna foi baleada após desembarcar do carro, um BMW blindado, em frente a um centro comercial no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste. Imagens da CET-RIO e das câmaras de segurança do empreendimento revelaram que a filha de Maninho foi seguida até o centro comercial por um carro branco que levava os criminosos.

Pelo menos três disparos foram feitos contra Shanna, mas a polícia não encontrou nenhuma das cápsulas deflagradas no local do crime. Mesmo ferida, ela conseguiu voltar para o seu BMW e se protegeu. Em entrevista ao EXTRA, após ter alta do hospital na última sexta-feira, Shanna diz que o responsável pelo crime é o seu ex-cunhado Bernardo Bello, mas não apresenta provas de sua acusação. Segundo ela, ele hoje controla os pontos do jogo do bicho e máquinas caça-níqueis herdados do seu pai.

A herança de Maninho, um patrimônio estimado por Shanna em R$ 25 milhões, está por trás da guerra que já matou quatro integrantes da família nos últimos anos. Os homicídios, jamais desvendados, a exemplo de vários outros ligados ao jogo do bicho no Rio, expõe uma “polícia corrompida”, diz Shanna, que afirma não confiar na Delegacia de Homicídios (DH) para tocar o seu caso, por ter “um monte de gente vendida”.

Informações do site Extra

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet