Cuiabá, domingo, 17/11/2019
11:25:19
informe o texto

Notícias / Judiciário

04/11/2019 às 17:12

Juiz condena Estado a indenizar jovem que ficou paraplégico após ser baleado por militares

A vítima trafegava com sua motocicleta pelo bairro Jardim Glória II, quando policiais o confudiram com um criminoso e atiraram contra suas costas.

Maisa Martinelli

Juiz condena Estado a indenizar jovem que ficou paraplégico após ser baleado por militares

Foto: TJMT

O Governo do Estado foi condenado a pagar indenização e pensão vitalícia a um rapaz baleado por policiais militares em Várzea Grande. A determinação é do juiz Alexandre Elias Filho, da Terceira Vara Especializada da Fazenda Pública.

De acordo com a ação, em maio de 2012, E.C.P., na época com 20 anos, estava trafegando com sua motocicleta pelo bairro Jardim Glória II, quando policiais militares o confundiram com um suspeito de duplo homicídio e alvejaram o jovem com tiros nas costas.

Consta nos autos, que a vítima teve que passar por uma cirurgia na região lombar, o que causou uma paraplegia permanente dos membros inferiores, resultando na impossibilidade de fazer qualquer atividade laborativa, além de ter sofrido lesões nos pés.

Ao analisar o caso, o magistrado entendeu que o dano material resta evidente, já que o rapaz dependerá de ajuda de terceiros para o resto de sua vida para manutenção própria e de sua família.

“Além das despesas de alimentação, terá outras despesas extras oriundas do evento danoso de que foi vítima. Está sendo submetido a tratamentos médicos, fisioterapêuticos e psicológicos, pois há um projetil alojado em sua coluna, que ainda não pode ser extraído, por ter risco de morte”, diz parte da decisão.

Alexandre também esclareceu que o jovem deve receber pensão vitalícia, devido ao seu grau de lesão, que reduziu sua capacidade laborativa.

“O Requerente é jovem e desempenhava suas atividades laborativas com todo o vigor, portanto, o ato ilícito gerou redução da sua capacidade laborativa, sendo assim, mesmo que seja readaptado (o que não é o caso), ou reciclado, jamais terá a mesma resistência, disposição e aptidão para o trabalho”, pontuou o juiz.

Diante do exposto, o magistrado determinou ao Governo do Estado o pagamento de pensão vitalícia no valor de um salário mínimo até os 75 anos (expectativa de vida do brasileiro, segundo o IBGE), além de danos morais de R$40 mil e indenização por danos emergentes no valor de um salário mínimo.

 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet