Cuiabá, sexta-feira, 22/11/2019
22:06:02
informe o texto

Notícias / Geral

06/11/2019 às 14:53

Mulher relata sofrer racismo no Grand Toro; donos negam - veja vídeo

“Disse baixo no meu ouvido o valor do prato, que custa R$ 65 reais. Eu não perguntei o valor’’, relatou a advogada.

Fernanda Leite

Mulher relata sofrer racismo no Grand Toro; donos negam - veja vídeo

Foto: Reprodução internet

Advogada, Ludmilla Soares, acusa o restaurante Grand Toro, localizado na Praça Popular, em Cuiabá, de praticar racismo. Ela relata que foi jantar com uma amiga na noite desta terça-feira (5) no estabelecimento e passou por constrangimento quando um garçom disse ‘baixinho’ próximo ao seu ouvido o valor do prato que ela pediu.

O garçom que foi atendê-las para perguntar se elas iriam comer rodízio de petiscos. Ambas disseram que não. Pouco depois, a amiga foi no banheiro, e sozinha na mesa, o mesmo garçom se aproximou dela e disse baixinho "a costelinha custa R$ 65 reais”.

“Porque não falou do preço quando minha amiga estava na mesa? Porque ela é branca?  Porque o senhor está me dizendo o preço? É a política do restaurante? O gerente veio até a mim e me deu uma explicação esfarrapada, falando que o prato tinha saído do cardápio. Me oferecem rodízio gratuito, mas não quis e sai daquele local. Não quis deixar meu dinheiro naquele lugar”, reclamou.

Ela irá oferecer uma denúncia contra o restaurante.  “Porque estou fazendo isso?  Quer indenização?  Quer destruir o restaurante? De jeito nenhum. O ‘seo’ Zé, a dona Maria quer sentar nesses lugares, mas não se sentam porque podem ser humilhados ou sofrer racismo. E eles não sabem o que fazer. Acham até normal, e não é. É crime e isso tem que acabar. Pelo amor de Deus, estamos em 2019”, lamentou.

Um dos proprietários do local, segundo ela, disse que irá fazer uma retratação pública nas redes sociais do restaurante.  “Pessoas que estavam ao redor presenciaram e não fizeram nada.  É um sentimento de revolta, vergonha e injustiça”, concluiu a mulher.


(15h30 -atualizada)- Outro lado

Um dos proprietários do local, Rodrigo Timoteo, entrou em contato com a reportagem e explicou:

“A cliente foi ao restaurante e pediu uma costelinha com barbecue a lá carte, que não consta no nosso cardápio. Só vendemos no rodízio. E o garçom disse apenas que iria dar um jeito para ela. Por coincidência a companheira dela foi ao banheiro neste momento. Ela se ofendeu na hora. É um procedimento padrão, como o cliente vai consumir o item sem o valor?

 
Lembrando que nosso restaurante tem colaboradores e clientes de todas as raças e classe social. A gente atende todos os nossos clientes da mesma forma. Temos as imagens do circuito interno que mostra o momento em que ela se ofende com a pergunta”, lamentou o proprietário.

Nota de esclarecimento à sociedade 
 
GRAND TORO STEAK HOUSE vem a público esclarecer que atua no ramo de gastronomia há mais de 05 (cinco) anos pautando sua postura no atendimento aos clientes, parceiros, colaboradores e fornecedores de forma humana, ética e responsável;

Esclarece que: “com relação ao episódio veiculado pela advogada Ludmilla Soares nas mídias eletrônicas, sociais e internet na data de 05/11/2019, na qual acusa o restaurante Grand Toro da pratica de racismo que: “em nenhum momento o estabelecimento comercial ofendeu a cliente, mas tão somente reportou à mesma o valor do prato (costelinha ao molho barbecue) que não está mais disponível no cardápio impresso à la carte desde 2018; esclareceu, ainda, à cliente que a “costelinha ao molho barbecue”, pedido solicitado, é oferecido à vontade na modalidade de rodízio por R$ 29,90;

Esclarece que repudia e não pactua com qualquer ato discriminatório e preconceituoso;

Por fim, esclarece aos funcionários, colaboradores, fornecedores, que registrou boletim de ocorrência dos fatos veiculados nas mídias sociais e se coloca à inteira disposição para esclarecimento, reforçando seu compromisso com a ética, harmonia e cordialidade.

Att

Diretoria Grand Toro.

 

Vídeo Relacionado

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Celio Souza 08/11/2019 às 00:00

    O único preconceito aqui. É dela com ela mesma, cuidado.... se ela for em um mercado e ver o valor do prodito na gondula e preconceito? Se nesta mesmo mercado informar o preço por áudio e preconceito??? Ou será que no final da refeição neste mesmo local ela não iria pedir a conta??? Se ela gosta de consumir sem saber o valor!!! Sabia que O restaurante pode cobrar o valor que ele quiser, Se ela conssumil ela tem que pagar. Então sempre é bom saber o valor antes sempre , ex: uber.... #ficadica

  • Vanessa Chanque 06/11/2019 às 00:00

    Sou cliente do restaurante e sempre fui muito atendida. Os funcionários são muito atenciosos, inclusive com meus filhos e todos que são cliente sabem que a costelinha é prato do rodizio. O problema é que tudo é entendido como desprezo, racismo. Muito vitimismo..... As próprias pessoas de menosprezam por achar que sempre estão senso tratadas de forma diferente por sua cor, sexo, religião. Hoje em dias a gente precisa pensa 10 minutos antes de conversar com qualquer pessoa sobre qualquer assunto porque tudo é considerado racismo e em sempre alguém vigiando para processar. As pessoas ao invés de evoluírem estão se tornando insuportáveis.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet