Cuiabá, quinta-feira, 14/11/2019
02:46:58
informe o texto

Notícias / Política

07/11/2019 às 18:03

​Maia: 'Não é porque tem garimpo ilegal que a gente vai tratar de legalizar'

Presidente da Câmara criticou projeto que o governo pretende enviar ao Congresso para legalizar a mineração em terras indígenas

Leiagora

​Maia: 'Não é porque tem garimpo ilegal que a gente vai tratar de legalizar'

Foto: Luiz Macedo / Agência Câmara

 O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou nesta quinta-feira, 7, o projeto que o governo pretende enviar ao Congresso para legalizar a mineração em terras indígenas e disse que o País não crescerá apenas com as reformas econômicas. Em entrevista ao canal GloboNews, Maia disse que arquivará a proposta se ela chegar à Casa.

"A argumentação que eu vi hoje do ministro (Bento Albuquerque, de Minas e Energia) não está adequada. Não é porque tem garimpo ilegal que a gente vai tratar de legalizar o garimpo. Temos que, primeiro, combater o que é ilegal e fazer um amplo debate sobre esse tema. O tema do garimpo não é simples e o tema do garimpo em terra indígena é mais complexo ainda", disse ele, ao sair de um evento na Câmara.

Para o ele, o Estado brasileiro precisa cumprir a sua parte no combate ao que é ilegal e depois discutir se há espaço e quais são as condições para avançar com o debate sobre o tema.

Maia criticou o governo por não promover um maior diálogo sobre o projeto e lembrou que ele deverá ser apresentado num momento em que o Brasil é criticado no exterior em relação a problemas no Meio Ambiente. "As reformas, por si só, não vão fazer este Brasil crescer. A proteção do Meio Ambiente, nossa Democracia, o bom diálogo com nossos vizinhos e com outros países é que vai fazer esse País crescer", afirmou.

O presidente da Câmara participou do lançamento do Projeto Modernizar, criado pela Câmara com o objetivo, de acordo com ele, de que o Parlamento possa discutir o futuro.

No evento, o professor e escritor Yuval Noah Harari, autor dos livros Sapiens e Homo Deus, foi entrevistado pelo pesquisador e professor especializado em Tecnologia Ronaldo Lemos. "Tem uma questão que é decisiva, que é exatamente a questão dos dados. A política vai ser a disputa pelo fluxo dos dados, como você manipula de forma legítima, lícita, os dados e fala com a sociedade. ... Acho que o grande ativo do mundo vai deixar de ser o petróleo e vai passar a ser dados", disse.
Direto de Brasília - Mariana Haubert - Estadão Conteúdo 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet