Cuiabá, sexta-feira, 22/11/2019
22:06:44
informe o texto

Notícias / Geral

08/11/2019 às 14:26

​Brasil rompe tradição histórica e apoia na ONU embargo americano a Cuba

Há 27 anos, com voto brasileiro, a Assembleia-Geral aprova uma resolução pedindo o fim do bloqueio americano.

Leiagora

​Brasil rompe tradição histórica e apoia na ONU embargo americano a Cuba

Foto: Justin Lane / EFE

O Brasil votou ontem pela primeira vez na ONU a favor do embargo econômico imposto em 1962 pelos EUA a Cuba, rompendo uma posição diplomática tradicional. Há 27 anos, com voto brasileiro, a Assembleia-Geral aprova uma resolução pedindo o fim do bloqueio americano.

Neste ano, a medida foi adotada com 187 votos favoráveis de 193 membros da ONU. Além da representação brasileira, foram contra a iniciativa EUA e Israel. Apenas dois países se abstiveram: Ucrânia e Colômbia - também pela primeira vez -, cujo presidente, Iván Duque, é outro aliado do governo de Donald Trump. A Moldávia não votou.

Desde 1992, a Assembleia-Geral da ONU aprova todos os anos um texto denunciando os efeitos negativos da política americana e pedindo o seu fim. A medida, porém, não tem efeito vinculante. O Brasil se posicionava a favor da resolução desde que ela foi apresentada pela primeira vez.

Em 2016, os EUA se abstiveram, pela primeira vez, em razão da aproximação entre o governo cubano e o presidente americano, Barack Obama - na época, os dois países haviam reaberto embaixadas nas duas capitais, no ano anterior. Trump, porém, voltou atrás nessa política e decidiu aumentar a pressão contra a ilha com novas sanções que provocaram uma crise de energia e combustíveis. A Casa Branca também vem tentando reduzir o turismo em Cuba, visitada no ano passado por 600 mil americanos.

O chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, disse nas redes sociais que "o Brasil votou a favor da verdade" e "nada nos solidariza com Cuba". Ele também afirmou que o regime cubano "é hoje o principal esteio de (Nicolás) Maduro na Venezuela, o pior sistema ditatorial da história do continente".

Interesses

Aparentemente, a mudança de posição do Brasil se deve mais à tentativa do governo de Jair Bolsonaro de reforçar o alinhamento ideológico com o governo americano do que uma revisão fundamentada da posição diplomática brasileira. Em seu discurso na Assembleia-Geral da ONU, em setembro, Bolsonaro afirmou que um plano de Fidel Castro, Hugo Chávez e Luiz Inácio Lula da Silva para estabelecer o socialismo na América Latina ainda estava vivo e precisava ser combatido.

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, afirmou que os EUA "não escondem seu propósito de asfixiar economicamente Cuba e aumentar danos, carências e sofrimento de nosso povo". No começo da semana, ele já havia denunciado "pressões" feitas pelos EUA sobre países latino-americanos. (com agências internacionais)

 
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet