Cuiabá, domingo, 08/12/2019
04:05:40
informe o texto

Notícias / Judiciário

21/11/2019 às 17:00

Créditos de instituição de ensino vinculados ao FIES são impenhoráveis

Leiagora

Créditos de instituição de ensino vinculados ao FIES são impenhoráveis

Foto: Reprodução internet

A 3ª turma do STJ assentou em recente julgamento a impossibilidade de penhora de créditos vinculados ao FIES constituídos em favor de instituição de ensino.

O acórdão recorrido, do TJ/DF, entendeu que os créditos recebidos pelas faculdades pelo programa 'Bolsa Universitária' não se enquadram na impenhorabilidade prevista no art. 833, IX do CPC/15, uma vez que inexiste obrigação de que os recursos sejam compulsoriamente aplicados em educação.

Fim social

A ministra Nancy Andrighi esclarece no voto que o recebimento, pelas instituições de ensino superior, dos Certificados Financeiros do Tesouro – Série E (CFT-E) – e mesmo do valor financeiro equivalente, no caso da sua recompra – está condicionado à efetiva prestação de serviços educacionais aos alunos beneficiados pelo financiamento estudantil, sendo, inclusive, vedada a sua negociação com outras pessoas jurídicas de direito privado (art. 10, § 1º, da lei 10.260/01).

“O intuito de fazer prevalecer o interesse coletivo em relação ao interesse particular justifica a previsão de impenhorabilidade dos recursos públicos recebidos por instituições privadas para aplicação compulsória em educação, prevista no art. 833, IX, do CPC/15.”

Para a ministra, o fato de a recorrente ter prestado os serviços de educação previamente ao recebimento dos créditos correspondentes do FIES não descaracteriza sua destinação; “ao contrário, reforça a ideia de que se trata de recursos compulsoriamente aplicados em educação”.

“Muito mais que constituir simples remuneração por serviços prestados, os créditos recebidos do FIES retribuem a oportunidade dada aos estudantes de menor renda de obter a formação de nível superior, de aumentar suas chances de inserção no mercado de trabalho formal e, por conseguinte, de melhorar a qualidade de vida da família.

Então, permitir a penhora desses recursos públicos transferidos às instituições particulares de ensino poderia frustrar a própria adesão ao programa e, em consequência, o atingimento dos objetivos por ele traçados.”

Conforme a relatora, são recursos vinculados a um fim social, e, portanto, impenhoráveis. Considerando que, na hipótese, (i) a penhora incide diretamente sobre recursos de origem pública e (ii) os valores recebidos pela recorrente vinculam-se à contraprestação pelos serviços educacionais prestados, a ministra concluiu pela impenhorabilidade dos referidos créditos.

O colegiado acompanhou o entendimento da relatora à unanimidade, reformando o acórdão paulista para declarar a impenhorabilidade dos créditos advindos do FIES em razão dos serviços de educação prestados pela recorrente.
Por Migalhas

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet