Cuiabá, sexta-feira, 13/12/2019
01:12:03
informe o texto

Notícias / Política

21/11/2019 às 22:23

Deputados aprovam projeto que disciplina fornecimento de maconha

O projeto inicial de autoria do deputado Wilson SAntos previa a regulamentação do uso da cannabis, porém, por inconstitucionalidade, Lúdio Cabral apresentou substitutivo para disciplinar o forncecimento.

Alline Marques

Deputados aprovam projeto que disciplina fornecimento de maconha

Foto: JL Siqueira / ALMT

Os deputados aprovaram em primeira votação o projeto de lei que disciplina o fornecimento de medicamento a base de canadibiol, substância da maconha, pelo sistema público de saúde em Mato Grosso. A proposta inicial era de autoria do deputado Wilson Santos (PSDB) que previa o controle, fiscalização e regulamentação do uso da “cannabis” e seus derivados, porém, Lúdio Cabral (PT) apresentou substantivo integral sob o entendimento de que a matéria inicial era de competência da União.

Com parecer favorável da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, o projeto foi colocado em votação na terça-feira (19) e aprovado em primeira instância. Agora segue para a Comissão de Constituição e Justiça, que analisará a legalidade da matéria, para seguir em segunda votação no plenário.

De acordo com a nova proposta, torna-se obrigatório o fornecimento de medicamentos a base de substância ativa canadibiol (CBD) para condições médicas debilitantes no âmbito do sistema público de saúde no estado. Extraído da Cannabis sativa, o canabidiol, conhecido como CBD, é utilizado no combate a convulsões provocadas por diversas enfermidades, entre elas a epilepsia. Em janeiro de 2015, a Anvisa retirou o canabidiol da lista de substâncias proibidas e o classificou como medicamento de uso controlado.

A medicação será fornecedida para pacientes com enfermidades como câncer, glaucoma, estado positivo para o vírus da iParkinson, hepatite C, transtorno de espectro de autismo - TEA, esclerose lateral amiotrófica, doença de Croh, agitação do mal de Alzheimer, cachexia, distrofia muscular, fibromialgia severa, aracnoidite e outras doenças e lesões da medula espinhal, artrite reumatóide, esclerose múltipla, dentre outras.

O medicamento deverá ser prescrito por médico devidamente habilitado nos termos das normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Caso seja aprovado, a Secretaria de Estado de Saúde terá 180 dias para regulamentar os procedimentos administrativos para acesso aos medicamentos.

A princípio a proposta tinha finalidade de proteger pacientes com condições médicas debilitantes, bem como médicos e fornecedores, e ainda aqueles que fazem uso pessoal, de prisão, persecução penal e outras sanções. “A regulação da “cannabis” deve ser analisada sob a perspectiva da saúde e da segurança públicas, e também das liberdades individuais. Há de se preservar o direito individual ao uso de “cannabis” para o tratamento de enfermidades”.

Porém, haveria inconstitucionalidade na matéria por vício de iniciativa, com a mudança a proposta passa a ser viável e apenas disciplina o fornecimento.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet